L'ANGOLO DELLA POESIA: "Volta" e "'Na via"
Luís Elói Stein
TESTO IN ITALIANO   (Texto em portugûes)

 
VOLTA
Roma está em festa, mil sinos a dobrar
o outono deixou de sofrer pra brilhar
espaço em torno sob os teus passos
viso fagueiro: risos, abraços
 
Trigueiro olhar, gesto comedido
cauto abraço: grande è a cidade
o povo è tanto, saudoso è o lar
sò posso esperar, Lua, o luar
 
No meu canto obscuro à tua volta:
o teu beijo feiticeiro
renderia faceiro
este prisioneiro amante de bar
 
Roma está em festa e me ensina a cantar
o outono te trouxe a mim do além-mar
renasço e morro sò por teus braços
sò e tarimbeiro: sonho os abraços.
 
                                           (Bros, julho 2008/Luis Eloi S.)
 

'Na via
La via era di terra
e aveva nome di poeta,
ma che ne sapevo io,
la poesia era lì,
fra gli alberi.
Saltavo, correvo
e il tempo
mi aspettava;
mi seduceva
il vento,
ero il suo servo
ed ero felice..
 (2018/L. Eloi Stein)
 


Luís Elói Stein è un poeta brasiliano nato a Carazinho, nel Rio Grande do Sul. Vive da molti anni in Italia. Laureato in Lettere brasiliane a Porto Alegre, è collaboratore ed esperto linguistico presso il Dipartimento di Studi Europei Americani e Interculturali dell'Università «La Sapienza» di Roma. Ha scritto: "Rimasi qui e mi lasciai sedurre dall' autunno. Mi amalgamai alla italianità, parlo la mia lingua. Bevo alla forte, e mi mantiene l'alternarsi delle stagioni". La sua Poesia nasce, molte volte, dall' osservazione acuta del quotidiano. Intrisa d'amore e di cura per la Parola, si slancia nella sua ispirazione, come a voler fermamente fissare l'attimo, quel momento intensamente sentito e vissuto. Un Tempo presente che diviene Tempo assoluto, ma, a legger bene, la lettura dei suoi versi rivela anche la nostalgia di ciò che è stato appena vissuto. In realtà ci troviamo di fronte ad una Poetica poliedrica: urbana, ecologica, interculturale, metaforica ed universale. Respira fiumi ed oceani modellandosi con grande eleganza sia nella lingua italiana che nella lingua portoghese. "Bevo il mate, vivo l' autunno e adoro perdermi nei bar di Roma. Guardo il Tevere, respiro San Lorenzo, mangio kebab e baccalà, e con una birra cerco l' ispirazione per abbozzare due linee con qualche pretesa poetica". Oltre a volumi pubblicati, si può visitare il suo blog "RomanosVersos" https://eloistein.wordpress.com.
Nella sua bibliografia ricordiamo:
 
Folhas secas 2011
Olhos de Baleia 2012
Mente alla menta 2013
Relógio de bolso 2014
Birra e noccioline 2015
Verso in fuga 2016
 

© SARAPEGBE                                                             
E’ vietata la riproduzione, anche parziale, dei testi pubblicati nella rivista senza l’esplicita autorizzazione della Direzione


-------------------------------------------------------------------------------


TEXTO EM PORTUGÛES   (Testo in italiano)

 
L'ANGOLO DELLA POESIA:" 'Na via" e "Volta"
Luís Elói Stein

                                                                           

 
'Na via
 

La via era di terra
e aveva nome di poeta,
ma che ne sapevo io,
la poesia era lì,
fra gli alberi.
Saltavo, correvo
e il tempo
mi aspettava;
mi seduceva
il vento,
ero il suo servo
ed ero felice..
                                        (2018)
 
 
VOLTA
Roma está em festa, mil sinos a dobrar
o outono deixou de sofrer pra brilhar
espaço em torno sob os teus passos
viso fagueiro: risos, abraços
 
Trigueiro olhar, gesto comedido
cauto abraço: grande è a cidade
o povo è tanto, saudoso è o lar
sò posso esperar, Lua, o luar
 
No meu canto obscuro à tua volta:
o teu beijo feiticeiro
renderia faceiro
este prisioneiro amante de bar
 
Roma está em festa e me ensina a cantar
o outono te trouxe a mim do além-mar
renasço e morro sò por teus braços
sò e tarimbeiro: sonho os abraços.
 
                                                                                 (Bros, julho 2008)
 


Luís Elói Stein é um poeta brasileiro e nasceu em Carazinho, no Rio Grande do Sul. Há muitos anos vive na Itália. Formado em Literatura Brasileira em Porto Alegre, é colaborador e especialista linguístico no Departamento de Estudos Europeus e Interculturais Europeus da Universidade "La Sapienza" de Roma. Assim escreve: "Abanquei-me e deixei-me seduzir pelo outono. Amalgamei-me à italianidade, falo a minha língua. Bebo na fonte, e o alternar-se das estações me vem mantendo”.  A Poesia de Elói encontra sua origem na aguda observação dos elementos do cotidiano. Repleta de amor e atenção pela Palavra, voa dentro da sua própria inspiração, desejando fixar o momento presente, percebido e vivido de forma intensa. E' assim que o Tempo presente torna-se Tempo absoluto, e ao mesmo tempo, a leitura dos versos revela uma nostalgia do recém vivido. A sua è uma poética rica, pois a sua poesia è multifacetada, urbana,ecologica, intercultural, metafórica e universal. Respira rios e oceanos modelando as palavras com grande elegância, tanto na língua italiana, como na língua portuguesa. "Bebo o mate, vivo o outono e adoro me perder nos becos de Roma. Olho para o Tevere, respiro San Lorenzo, como kebab e bacalhau, e com uma cerveja  procuro a inspiração para esboçar duas linhas com alguma pretensão poética" . Além dos livros  publicados, se pode visitar seu blog "RomanosVersos" https://eloistein.wordpress.com.

Na sua bibliografia destacamos:
 
Folhas secas 2011
Olhos de Baleia 2012
Mente alla menta 2013
Relógio de bolso 2014
Birra e noccioline 2015
Verso in fuga 2016


-------------------------------------------------------------------------------------------------------
© SARAPEGBE
É proibida a reprodução, mesmo que parcial, dos textos publicados na Revista sem a explícita autorização da Direção.