Lo storico baiano João José Reis è il vincitore 2017 del Premio "Machado de Assis" (ABL)
Antonella Rita Roscilli
TESTO IN ITALIANO   (Texto em portugûes)

                                                                                                                                                        News Sarapegbe
Il Premio "Machado de Assis" è considerato il più importante riconoscimento letterario del Brasile. Viene assegnato ogni anno dall'Accademia Brasiliana di Lettere (ABL) ed é stato ideato nel  1941. Nel 2017 il prestigioso premio é andato allo storico baiano João José Reis, un riferimento a livello mondiale, per lo studio della storia e schiavitù nel 19 ° secolo in Brasile. L'annuncio è stato dato dal presidente dell'ABL Domício Proença Filho. La cerimonia di premiazione avverrá nell´Auditorium Petit Trianon, nella sede della dell'Accademia, nalla giornata del 20 luglio, data in cui l'ente festeggia il 120 ° anniversario della prestigiosa istituzione.

João Jose Reis, ha pubblicato diversi libri, tra cui "A morte é uma festa", che gli valse il Premio Jabuti per la letteratura. Laureato in Storia presso l'Università Cattolica di Salvador, ha master e dottorato presso l'Università del Minnesota (USA) e molti pós-dottorati di ricerca, tra cui  l'Università di Londra, il Center for Advanced Studies in the Behavioral Sciences della Universitá di Standford e il National Humanities Center.

João Jose Reis è stato anche professore visitante di prestigiose università americane, tra cui l'Università del Michigan, Brandeis University, Princeton University, University of Texas e la Harvard University. Attualmente è professore del Dipartimento di Storia dell'Università Federale di Bahia (UFBA).
Nel 2016 il vincitore del Premio Machado De Assis è stato il romanziere e scrittore Ignacio de Loyola Brandão.

BREVE BIBLIOGRAFIA
Negociação e Conflito: A Resistência Negra no Brasil Escravista, São Paulo:Companhia das letras, 151 p. REIS, J. J. and SILVA, E. 1989.

A Morte é uma Festa: Ritos Fúnebres e Revolta Popular no Brasil do Século XIX, São Paulo:Companhia das letras, 357 p. 1992. Edição em inglês pela North Carolina University Press, USA

Liberdade por um Fio: História dos Quilombos no Brasil, São Paulo:Companhia das letras, 505 p. Livro coletivo organizado com Flavio Gomes. 1996.

The revolution of the Ganhadores: urban labour, ethnicity and the african strike of 1857 in Bahia, Brazil. Journal of Latin American Studies, vol. 29, no. 1, p. 355-393. 1997.

Rebelião Escrava no Brasil: a História do Levante dos Malês (1835), Companhia das letras, 650 p. 2003. Edição em inglês pela Johns Hopkins University Press, USA

Domingos Sodré, um sacerdote africano: escravidão, liberdade e candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2008.463 p.

Escravidão e suas sombras. Salvador: EDUFBA, 369 p. REIS, J. J. e AZEVEDO, Elciene (Org.). 2012
 
-------------------------------------------------------------------------------


TEXTO EM PORTUGÛES   (Testo in italiano)

Historiador baiano João José Reis vence Prêmio Machado de Assis da ABL
por
Antonella Rita Roscilli 


                                                                   
                                                                                                                                       News Sarapegbe
O historiador baiano João José Reis é o vencedor de 2017 do Prêmio "Machado de Assis", da Academia Brasileira de Letras (ABL), pelo conjunto da obra. O anúncio foi feito quinta-feira (29) pelo presidente da Academia, Domício Proença Filho. A entrega do prêmio será em solenidade no salão nobre do Petit Trianon, a sede da academia, no dia 20 de julho, data em que a instituição estará comemorando seus 120 anos de fundação.

O Prêmio "Machado de Assis" é considerado o mais importante reconhecimento literário do país, é concedido anualmente pela Academia Brasileira de Letras (ABL) desde 1941. O historiador baiano João José Reis é o vencedor de 2017,  pelo conjunto da obra.

Referência mundial para o estudo da história e da escravidão no século 19 no Brasil, João José Reis, de 65 anos, tem diversos livros publicados, dentre eles "A morte é uma festa", que lhe rendeu o Prêmio Jabuti de Literatura. Graduado em História pela Universidade Católica de Salvador, tem mestrado e doutorado pela Universidade de Minnesota (EUA) e diversos pós-doutorados, que incluem que incluem a Universidade de Londres, o Center for Advanced Studies in the Behavioral Sciences da Universidade de Stanford e o National Humanities Center.
 
João José Reis também foi professor visitante de outras prestigiadas universidades norte-americanas, entre elas Universidade de Michigan, Universidade Brandeis, Universidade de Princeton, Universidade de Texas, Universidade de Harvard. Atualmente, é professor titular do Departamento de História da Universidade Federal da Bahia (UFBA). No ano passado, o vencedor foi o romancista e contista Ignácio de Loyola Brandão.
 
Breve Bibliografia
Negociação e Conflito: A Resistência Negra no Brasil Escravista, São Paulo:Companhia das letras, 151 p. REIS, J. J. and SILVA, E. 1989.
A Morte é uma Festa: Ritos Fúnebres e Revolta Popular no Brasil do Século XIX, São Paulo:Companhia das letras, 357 p. 1992. Edição em inglês pela North Carolina University Press, USA
Liberdade por um Fio: História dos Quilombos no Brasil, São Paulo:Companhia das letras, 505 p. Livro coletivo organizado com Flavio Gomes. 1996.
The revolution of the Ganhadores: urban labour, ethnicity and the african strike of 1857 in Bahia, Brazil. Journal of Latin American Studies, vol. 29, no. 1, p. 355-393. 1997.
Rebelião Escrava no Brasil: a História do Levante dos Malês (1835), Companhia das letras, 650 p. 2003. Edição em inglês pela Johns Hopkins University Press, USA
Domingos Sodré, um sacerdote africano: escravidão, liberdade e candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2008.463 p.
Escravidão e suas sombras. Salvador: EDUFBA, 369 p. REIS, J. J. e AZEVEDO, Elciene (Org.). 2012