ALEILTON FONSECA: una presentazione -testo in italiano e portoghese- IN ESCLUSIVA -
Antonio Carlos Monteiro Teixeira Sobrinho
Lo scrittore brasiliano Aleilton Fonseca
TESTO IN ITALIANO   (Texto em portugĂ»es)

Prima di raccogliermi nel silenzio dell'alba per scrivere questa presentazione , ho riletto il racconto " Il sorriso della Stella" di Aleilton Fonseca - testo e autore che si ritrovano anche in lingua italiana in questo numero di "Sarapegbe" .
 
Non so quante volte l'ho fatto, da quando l'ho letto la prima volta. Ma sapevo che non avrebbe fatto molta differenza ... Ho riletto il racconto solo da pochi minuti , e così, come tutte le altre volte, mi sento lo stesso bruciore lieve , gli stessi occhi , la stessa emozione nel petto.
 
Mi scuso per l' aspetto così apertamente personale di questi primi due paragrafi . So che questa è solo una presentazione dello scrittore al pubblico italiano e , pertanto , dovrebbe essere un po ' più obiettiva - e lo farò, lo prometto ! Ma prima di soffermarmi su date e produzioni poetiche , romanzi e produzioni accademiche, vorrei fare alcune considerazioni su Aleilton Fonseca - o meglio, sui suoi testi .
 
"Il sorriso della Stella"  fa parte del libro "O desterro dos mortos"  che riunisce 12 racconti di Aleilton Fonseca. E quando entro in contatto con questo testo mi nasce sempre un senso di turbamento. Non quello che spaventa e allontana , ma quel turbamento che affascina . Dopo tutto, di fronte a storie su questioni rilevanti come la morte e la perdita , realtà spesso sperimentate con il peso di tutti i nostri sentimenti, come non rimanere sorpresi dal tono delicato e profondamente umano dall'autore? Lungi da rappresentazioni semplicistiche , immagini ridondanti poco fertili , Aleilton Fonseca è l'esatto opposto della sterilità . Nei suoi racconti utilizza um linguaggio accattivante , semplice e fluido , che genera catarsi.
 

Così, il testo introduttivo alla terza edizione de "O desterro dos mortos" non potrebbe avere un titolo più felice: "racconti di intensa umanità" scrive Carlos Ribeiro, un altro bravo scrittore baiano. E 'senza dubbio la più giusta di tutte le definizioni . Dopo tutto, questo corrisponde a questa umanità viva , che contiene  come una epifania di sè, nella catartica possibilità che esce da queste storie .
 
E ' emblematico che ne "Il sorriso della Stella" non ci siano segni di spazio , per quanto riguarda il vincolo dei personaggi con la geografia specifica di una città. Pedro e Estela sono naturalmente baiani, come sono anche de Goiás e Amazonas e Rio Grande do Norte e ... ora sono anche italiani . In realtà, lo sono sempre stati, anche se solo in questo momento vengono rappresentati nella lingua .
 
Aleilton Fonseca [1] , baiano di Firmino Alves -  antica Itapemirim  - è un poeta , romanziere , saggista e docente universitario , legato alla Università Statale di Feira de Santana - UEFS .
Nato nel 1959 , ha pubblicato i suoi primi testi nel 1977 nei giornali di Ilhéus e Salvador - rispettivamente , la città della zona del cacao, e la capitale di Bahia dove ha vissuto durante l'infanzia e l'adolescenza .
            
Nel 1981 ha pubblicato il suo primo libro , "Movimento de sondagem" e ha lanciato il secondo volume della  Coleção dos Novos dedicata alla poesia, pubblicato dalla Fondazione Culturale dello Stato di Bahia . Le poesie qui raccolte  hanno avuto una ripercussione a livello nazionale ottenendo incentivi di Carlos Drummond de Andrade e ripubblicazioni di Rubem Braga .
          
Al genere poetico appartengono anche le pubblicazioni "O espelho da consciência" del 1984, "Teoria particular (mas nem tanto) do poema", del 1994; "As formas de barro & outros poemas", del 2006 e "Um rio nos olhos" del 2012 – questo tradotto in francese da Dominique Stoenesco, con il titolo "Une rivière dans les yeux "(2012) e in spagnolo da Alain Saint-Saëns, con il titolo "Un río en los ojos" (2013).

Riguardo ai racconti, ha pubblicato "Jaú dos bois e outros contos", nel 1997; "O desterro dos mortos", nel 2001; e nel 2003, "O canto da alvorada", libro vincitore del Prêmio Nacional "Herberto Sales – Contos", promosso dalla Academia de Letras da Bahia nel 2001; "Les marques du feu et autres nouvelles de Bahia", 2008, tradotto in francese da Dominique Stoenesco –:  "A mulher dos sonhos e outras histórias de humor," 2010 (tradotto nel 2013 in francese per il Canada da Danielle Forget et Claire Varin, col titolo "La femme de rêve et autres histoires humoristiques) e "As marcas da cidade"  nel 2012. Ha pubblicato anche la novella "Memorial dos corpos sutis" sempre nel 2012.

Tra i romanzi Aleilton Fonseca ha pubblicato "Nhô Guimarães", (ed. Bertrand, 2006) – un omaggio a Guimarães Rosa -  e il "Pêndulo de Euclides", (ed. Bertrand, 2009).. Vincitore di molti premi letterari ,
è membro dell'Academia de Letras da Bahia dal 2005 , dove occupa il seggio
n ° 20. Appartiene all'Unione Brasiliana degli Scrittori - UBE / SP - e al PEN Club del Brasile.
 
Per quanto riguarda la formazione accademica e professionale , Aleilton Fonseca è laureato in Lettere presso l'Università Federale di Bahia - UFBA - Mestre em Letras con specializzazione in Letteratura brasiliana , presso l'Università Federale di Paraíba - UFPB - e Dottore in Letteratura Brasiliana presso 
l' Università di San Paolo - USP . E' stato professore di Letteratura presso l'Università Statale del Sudest di Bahia - UESB - tra il 1984 e il 1999 , quando si trasferì all'Università di Stato di Feira de Santana - UEFS - dove fu membro fondatore del  Corso post-laurea in Lettere e diversità culturale . Nel 2003 , ha lavorato come Visiting Professor presso l'Università di Artois,  in Francia .
 
Da allora ha fatto numerose conferenze presso le seguenti istituzioni : Sorbonne Nouvelle , Nanterre , Artois , Rennes , Tolosa, Le Mirail - tutte francesi -, ELTE e Budapest . Risultato dei suoi studi sono i libri "Enredo romântico, música ao fundo. Manifestações lúdico-musicais no romance urbano do Romantismo, del 1996 – che proviene dalla tesi di Mestrado - e "O arlequim da Pauliceia". Immagini di San Paolo nella poesia di Mario de Andrade" - frutto del Dottorato - tra gli altri, nei quali firma come organizzatore in collaborazione con altri ricercatori .
 
E' anche coofondatore e coeditore di "Iararana" , rivista di arte, critica e cultura; coeditore di Légua e Meia", Rivista di Letteratura e Diversità Culturale ( UEFS ) ; è stato editore della rivista Heléboro (UESB ). Fa parte del comitato editoriale di riviste Politeia ( UESB ) Ágere (UFBA) e Floema (UESB). Aleilton Fonseca è corrispondente della rivista francese "Latitudes: cahiers lusophones".
Il 7 agosto 2013 ha ricevuto il titolo di "Professore di Onore dell'Umanità" dalla Universidad del Norte, a Assunção, in Paraguay.
 
Alla fine di questa presentazione, torno al tono un po ' soggettivo delle prime righe. Personaggio dai molti titoli e premi, di meritato pubblico e riconoscimento, lo scrittore Aleilton Fonseca può certamente essere considerato uno dei grandi nomi della letteratura contemporanea baiana e di conseguenza brasiliana.
 



[1] Le seguenti informazioni biografiche sono state raccolte dal blog personale di Aleilton Fonseca , www.aleilton.blogspot.com.br

Traduzione in italiano di A.R.R.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Antonio Carlos Monteiro Teixeira Sobrinho è docente del Centro Universitário Jorge Amado – UNIJORGE a Salvador Bahia in Brasile. Doutorando ein Letteratura e Cultura – PPGLitCult/UFBA e Mestre in Studio dei Linguaggi – PPGEL/UNEB
tonysobr@hotmail.com
-------------------------------------------------------------------------------


TEXTO EM PORTUGĂ›ES   (Testo in italiano)

ALEILTON FONSECA: UMA APRESENTAÇÃO
por
Antonio Carlos Monteiro Teixeira Sobrinho

Há pouco, antes de me fechar no silêncio da madrugada para a escrita desta apresentação, reli o conto “O sorriso da estrela”, de Aleilton Fonseca – texto e autor vertidos à língua italiana nesta edição de Sarapegbe.

Já não sei quantas vezes o fiz, desde que o li pela primeira vez. Mas, soubesse, não faria muita diferença... Reli-o há pouquíssimos minutos e, assim como todas as outras vezes, tenho o mesmo engasgo na garganta, o mesmo leve queimor nos olhos, a mesma emoção sob o peito.

Peço desculpas pela feição tão abertamente pessoal destes dois primeiros parágrafos. Sei que esta é apenas uma apresentação do escritor ao público italiano. Mas, antes de me estender em datas e de arrolar produções poéticas, ficcionais e acadêmicas, gostaria de tecer algumas considerações sobre Aleilton Fonseca – ou melhor, a respeito de seus textos.

“O sorriso da Estrela” integra o livro O desterro dos mortos, que reúne 12 contos de Aleilton Fonseca. E, quando em contato com esta publicação, arrebata-me sempre certa estranheza. Não, não falo daquela que assusta e afasta, mas da estranheza que inquieta e fascina. Afinal, em face de histórias que encenam temáticas pertinentes à morte e à perda, realidades quase sempre vivenciadas com o peso demasiado de todos os sofrimentos, como não se perceber surpreso com o tratamento delicado e profundamente humano conferido pelo autor? Distante das representações simplistas, redundantes em imagens pouco férteis, Aleilton Fonseca é o exato oposto da esterilidade. Seus contos, de linguagem cativante, simples e fluída, engendram catarses.

Desta forma, o texto de apresentação à terceira edição de O desterro dos mortos não poderia ter título mais feliz: “contos de intensa humanidade”, assinala Carlos Ribeiro – outro bom escritor baiano. É, sem dúvida, a mais justa de todas as definições. Afinal, corresponde a esta vívida humanidade, que se arroja tal uma epifania de si, a possibilidade catártica que emana daquelas histórias.

É emblemático que não haja marcações espaciais, no que concerne à vinculação das personagens à geografia específica de uma qualquer cidade, em “O sorriso da estrela”. Pedro e Estela são baianos, claro que são. Assim como são também amazonenses e goianos e potiguares e... assim como agora o são também italianos – em verdade, tendo-os sido desde sempre, ainda que só neste momento sejam representados no idioma.

[1]. Aleilton Fonseca, baiano de Firmino Alves – antiga Itapemirim – é poeta, ficcionista, ensaísta e professor universitário, vinculado à Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS. Tendo nascido no ano de 1959, publicou seus primeiros textos no ano 1977, em jornais de Ilhéus e Salvador – respectivamente, cidade da zona cacaueira, na qual viveu infância e adolescência, e capital da Bahia.
           
O primeiro livro, intitulado Movimento de sondagem, veio a público em 1981, compondo o segundo volume da Coleção dos Novos, dedicado à poesia e publicado pela Fundação Cultural do Estado da Bahia. Os poemas ali reunidos alcançaram repercussão nacional, obtendo incentivos de Carlos Drummond de Andrade e republicações de Rubem Braga.
          
Do gênero poético, são ainda as publicações O espelho da consciência, de 1984; o metapoema Teoria particular (mas nem tanto) do poema, de 1994; As formas de barro & outros poemas, de 2006 e Um rio nos olhos, de 2012 – este traduzido para o francês por Dominique Stoenesco, Une rivière dans les yeux (2012) e para o espanhol por Alain Saint-Saëns, Un río en los ojos (2013).

Como contista, publicou Jaú dos bois e outros contos, de 1997; O desterro dos mortos, de 2001; em 2003, O canto da alvorada, livro vencedor do Prêmio Nacional Herberto Sales – Contos, promovido pela Academia de Letras da Bahia, de 2001; Les marques du feu et autres nouvelles de Bahia, 2008 – traduzido para o francês por Dominique Stoenesco –; A mulher dos sonhos e outras histórias de humor, 2010 - traduzido para o frances por Danielle Forget et Claire Varin e publicado no Canada com titulo "La femme de rêve et autres histoires humoristiques; e As marcas da cidade, de 2012. Publicou ainda a novela Memorial dos corpos sutis, de 2012.

Entre romances, Aleilton Fonseca publicou Nhô Guimarães, (ed,. Bertrand 2006) – uma homenagem a Guimarães Rosa – e o Pêndulo de Euclides, (ed. Bertrand, 2009). Vencedor de vários prêmios literários, Aleilton Fonseca é ainda membro da Academia de Letras da Bahia desde 2005, onde ocupa a cadeira nº 20, da União Brasileira de Escritores – UBE/SP – e do PEN clube do Brasil.

No que concerne à formação acadêmica e profissional, Aleilton Fonseca é formado em Letras, pela Universidade Federal da Bahia – UFBA –, Mestre em Letras com especialização em Literatura Brasileira, pela Universidade Federal da Paraíba – UFPB – e Doutor em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo – USP. Foi professor do curso de Letras da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB –, entre 1984 e 1999, quando se transferiu para a Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS –, onde foi membro fundador do curso de Pós-Graduação em Literatura e Diversidade Cultural. Em 2003, atuou como Professor Convidado na Universidade de Artois, na França.

Desde então, fez inúmeras palestras nas seguintes instituições: Sorbonne Nouvelle, Nanterre, Artois, Rennes, Toulouse, Le Mirail – todas francesas – e ELTE, de Budapeste. Resultantes de seus estudos são os livros Enredo romântico, música ao fundo. Manifestações lúdico-musicais no romance urbano do Romantismo", de 1996 – decorrente da tese de Mestrado – e O arlequim da Pauliceia. Imagens de São Paulo na poesia de Mário de Andrade – fruto do Doutorado –, entre outros, em que assina como organizador em parceria com outros pesquisadores.
 
É ainda co-fundador e co-editor da Iararana, revista de arte, crítica e cultura; co-editor de Légua & meia – Revista de Literatura e Diversidade Cultural (UEFS); foi editor da revista Heléboro (UESB). Faz parte da Comissão Editorial das Revistas Politeia (UESB), Ágere (UFBA) e Floema (UESB). Aleilton Fonseca atua ainda como correspondente da revista francesa Latitudes: cahiers lusophones. Em 7 de agosto de 2013 recebeu o título de "Profesor de Honor de Humanidades", da Universidad del Norte, em Assunção, Paraguai.
A guisa de arremate desta apresentação, volto ao caráter um tanto mais subjetivo das primeiras linhas. Homem de tantos títulos e tantos prêmios, de merecido público e reconhecimento, Aleilton Fonseca certamente pode ser considerado um dos grandes nomes da literatura baiana contemporânea e, por conseguinte, da brasileira.


[1] As informações biográficas que seguem foram coligidas a partir do blog pessoal de Aleilton Fonseca, www.aleilton.blogspot.com.br

Antonio Carlos Monteiro Teixeira Sobrinho è docente do Centro Universitário Jorge Amado – UNIJORGE em Salvador Bahia. Doutorando em Literatura e Cultura – PPGLitCult/UFBA e Mestre em Estudo de Linguagens – PPGEL/UNEB
tonysobr@hotmail.com