BIO-BIBLIOGRAFIA: CARLOS NELSON COUTINHO
Redazionale
C.N.Coutinho nel Convegno Int.le "A.Gramsci:tra passato e presente" Università di Bari-Italia-2007- Aula II Facoltà di Lettere e Filosofia
TESTO IN ITALIANO   (Texto em portugûes)

Carlos Nelson Coutinho fu uno dei più noti intellettuali brasiliani ed ebbe un rapporto molto stretto con l’Italia essendo tra i principali studiosi di Antonio Gramsci nel mondo. Dal 1992 fino al 2012, anno della sua scomparsa, fece parte del comitato di corrispondenti esteri della rivista italiana “Critica marxista” e riportiamo una breve bibliografia con alcuni titoli di suoi articoli, sia sulla situazione politica brasiliana che saggi su Gramsci.

Filosofo politico, saggista e traduttore brasiliano, nacque nel 1943 a Itabuna, nello stato brasiliano di Bahia e si laureò nel 1965 in “Filosofia” nella Università Federale di Bahia (Ufba). Da giovane militò nell’antico Partito Comunista Brasiliano (Pcb). Iniziò la sua attività di studioso affascinato dalla figura e dall’opera di György Lukács. Negli anni '60 lanciò diversi libri di carattere critico-letterario e umanista. Articolò sempre la sua riflessione teorica con la pratica militante.

Negli anni '60 e '70' si dedicò alla critica culturale ed ebbe un ruolo importante nella divulgazione delle opere di György Lukács e Antonio Gramsci in Brasile. Il suo saggio “La democrazia come valore universale” fu marcante nel dibattito sulla teoria politica. Fu organizzatore e traduttore in portoghese di molti atuori, da Hegel a Rousseau, a Lukács, a "Il Capitale” di Karl Marx.

Negli anni ’70 fu costretto all’esilio dalla dittatura militare e trascorse un lungo periodo in Europa e anche in Italia, a Bologna. L’incontro con il radicamento e l’elaborazione teorica dei comunisti italiani cambiò il suo modo di concepire la lotta per il socialismo. Particolarmente affascinato dal pensiero e dalla politica di Enrico Berlinguer del PCI (Partito Comunista Italiano) negli anni dell’”Eurocomunismo”, e dalla elaborazione di Pietro Ingrao di “Crisi e terza via”, sposò pienamente l’idea di coniugare socialismo  e democrazia, come testimonia il saggio “A democracia como valor universal”. Visse anche a Parigi.

Tornato in Brasile all'inizio degli anni '80 nel PCB fece parte del “Gruppo di Armênio Guedes” che cercava il rinnovamento nel comunismo brasiliano, a partire dalla questione democratica.
Uscì dal partito nel 1981 e entrò a far parte dal 1983 della rivista “Presença”. Aderì nel 1988 al PT (fu anche “ministro” nel primo “governo ombra” di Lula), partito che abbandonò nel 2005 con la scissione di sinistra del PSOL (Partito Socialismo e Libertà), quando Lula, divenuto presidente, deluse molte delle promesse di profonda trasformazione sociale che avevano accompagnato la sua ascesa politica. Nel PSOL permase militando fino ai suoi ultimi giorni di vita, ovvero fino al settembre 2012. Ricordiamo che nell’agosto 1986 iniziò ad insegnare all’Università Federale di Rio de Janeiro (UFRJ) e nel 1988 vi difese la tesi di libera docenza.  Andò in pensione nell’aprile 2012. Il 29 giugno 2012 aveva ricevuto il titolo di professore emerito della Escola de Serviço Social da UFRJ.

Ma il Partito Comunista italiano e i suoi princípi (anche dopo la “Bolognina” da lui molto criticata) continuarono a rimanere in lui un punto di riferimento per una proposta politica di classe, ma profondamente diverso dal socialismo sovietico. Perciò nel 1992 aderì con convinzione alla “nuova serie” della rivista italiana “Critica marxista”. 

La lotta per le libertà democratiche e il ritorno della democrazia in Brasile negli anni ’80 avevano veicolato il pensiero di Gramsci permettendo la diffusione e l’affermazione. Gramsci veniva riconosciuto quale “il più grande teorico marxista della politica”, in grado di dare fondamento a una strategia, ha scritto Coutinho, “adeguata ai bisogni del paese moderno e ‘occidentale’ che era ormai il Brasile degli anni ‘70”. Un libro di Coutinho: “Il pensiero politico di Gramsci” è stato tradotto anche in Italia nel 2006 da Unicopli. Insieme a Giorgio Baratta fu tra i fondatori e dirigenti della "International Gramsci Society" fin dai suoi primi anni e in particolare dal convegno internazionale svoltosi a Napoli nel 1997. Partecipando alla vita di questa associazione instaurò con diverse generazioni di diverse nazionalità un rapporto basato sulla accettazione delle differenze e sul rifiuto di ogni settarismo pur nel fermo mantenimento dei propri convincimenti.

Questa grande lezione di stile politico resta tra le cose più preziose del suo insegnamento. Alla sua scomparsa sulla rivista Critica Marxista sono apparse queste parole: “La scomparsa di un amico e compagno come Carlos Nelson Coutinho priva la nostra rivista di un collaboratore assiduo e attento e di un interlocutore importante per capire quello che succede in un continente vitale come l’America latina. Ma soprattutto ci priva di una persona straordinaria, di grande simpatia, umanità ironia e intelligenza”. (Critica Marxista, A. 2012, n. 5, p. 59)

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 

Bibliografia
Alcuni articoli di e su Carlos Nelson Coutinho apparsi nella Rivista italiana “Critica Marxista”
 
La società civile in Gramsci e il Brasile di oggi, n. 3-4 (mag.-ago. 2000), p. 68-80
L’universalità di Gramsci, n. 6 (nov.-dic. 2000), p. 74-75
LuKács e Gramsci: un’analisi comparativa, n. 1 (2012), p. 45-56
Un gramsciano in Brasile. L’opera di Carlos Nelson Coutinho, n. 1 (2012), p. 59-60

Opere
De Rousseau a Gramsci - Ensaios de Teoria Política, Boitempo, 2011
Contra a Corrente, Cortez, 2008
Intervenções - O Marxismo na Batalha das Ideias, Cortez, 2006.
Cultura e Sociedade no Brasil, Expressão Popular, 2011; 1ª ed.: DP&A Editora, 2005.
Lukács, Proust e Kafka, Civilização Brasileira, 2005
Ler Gramsci - Entender a Realidade, Civilização Brasileira, 2003; 2ª ed.: 2011.
Gramsci - Um Estudo Sobre o Seu Pensamento Político, 1999
Gramsci e América Latina, Paz e Terra, 1998
Marxismo e Política, Cortez, 1994.
Democracia e Socialismo, Cortez, 1992.
Introducción a Gramsci, México, Ediciones Era, 1986.
Literatura e Ideología en Brasil, Havana, Casa de Las Américas, 1986.
A Dualidade de Poderes. Brasiliense, 1985.
A Democracia como Valor Universal, ed. Ciências Humanas, 1984.
Gramsci. Editora P&PM, 1981.
O Estruturalismo e a Miséria da Razão, Expressão Popular, 2010; 1ª ed.:Ed. Paz e Terra, 1972. Georg Lukacs. Marxismo e Teoria da Literatura, Civilização Brasileira, 1968.
Literatura e Humanismo, Editora Paz e Terra, 1967
 
-------------------------------------------------------------------------------


TEXTO EM PORTUGÛES   (Testo in italiano)

CARLOS NELSON COUTINHO: BIO-BIBLIOGRAFIA

Carlos Nelson Coutinho, filósofo político, ensaísta e tradutor, era um dos mais conhecidos intelectuais brasileiros. Teve uma relação muito próxima com a Itália e foi entre os principais estudiosos de Antonio Gramsci no mundo. De 1992 até 2012, ano da sua morte, foi membro do comitê de correspondentes estrangeiros da revista italiana "Crítica Marxista" (em baixo se incontra uma pequena bibliografia com alguns títulos de seus artigos), e collaborou publicando ensaios sobre a situação política do Brasil e sobre Gramsci.

Nasceu em 1943, em Itabuna, no estado brasileiro da Bahia e se formou em 1965, em "Filosofia", na Universidade Federal da Bahia (UFBA). Quando jovem, entrou no Partido Comunista Brasileiro (PCB) e começou seu trabalho como estudioso fascinado pela figura e obra de György Lukács. Nos anos '60 lançou várias obras sobre crítica literária e humanista, e foi um dos principais intelectuais marxistas no Brasil. Sempre articulou a teória com a prática militante.

Nos anos '60 e '70 dedicou-se à crítica cultural e desempenhou um papel importante na divulgação de obras de György Lukács e Antonio Gramsci no Brasil. Foi organizador e tradutor para o português de muitos autores e obras, incluindo Hegel, Rousseau e "O Capital" de Karl Marx.
Na década de 70 foi forçado ao exílio pela ditadura militar e passou um longo tempo na Europa,na Itália, na cidade de Bolonha. O encontro com as raízes e a elaboração teórica dos comunistas italianos mudou sua maneira de conceber a luta pelo socialismo. Particularmente fascinado pelo pensamento e a política de Enrico Berlinguer, do PCI (Partido Comunista Italiano), nos anos de "Eurocomunismo", e da elaboração de Pietro Ingrao de "Crise e terceira via", abraçou totalmente a idéia de combinar socialismo e democracia, como evidenciado no seu ensaio "A Democracia como valor universal". Viveu também em Paris.

Voltou para o Brasil nos primeiros anos '80 e entrou no Partido Comunista Brasileiro. Fez parte do "Grupo de Armênio Guedes" tentando uma  renovação no comunismo brasileiro, começando com a questão da democracia. Deixou o partido em 1981 e em 1983 começou a escrever na revista "Presença". Entrou em 1988 no PT (foi "ministro" do primeiro "governo sombra" de Lula), partido que deixou em 2005 para entrar no PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), quando Lula se tornou presidente e decepcionou muitos nas promessas de transformação social profunda que tinham acompanhado sua ascensão política. Coutinho militou e permaneceu no PSOL até seus últimos dias de vida, isto é, até setembro de 2012.

Em agosto de 1986, começou a ensinar na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e em 1988 defendeu a tese de ensino universitário. Se aposentou em abril de 2012 e em 29 de junho recebeu o título de professor emérito da Escola de Serviço Social da UFRJ.
Mas o Partido Comunista Italiano e seus princípios (mesmo depois de "Bolognina", que ele muito criticou) continuaram a representar para ele um ponto de referência essencial pelas propostas de uma política de classe, mas profundamente diferente do socialismo soviético. Foi por isso que, em 1992, ele se juntou com convicção à "nova série" da revista italiana "Crítica Marxista".

Coutinho foi, de facto, o especialista mais importante, intérprete e tradutor de Gramsci no Brasil, defensor de uma renovada presença do autor dos "Cadernos do Cárcere" no Brasil. A luta pelas liberdades democráticas e da restauração da democracia no Brasil na década de '80 havia transmitido o pensamento de Gramsci, permitindo a propagação. "Gramsci foi reconhecido como o maior teórico marxista da política, capaz de dar uma base para uma estratégia" assim escreveu Coutinho "adaptado às necessidades do país moderno que era o Brasil dos anos 70".  Um livro de Coutinho, "O pensamento político de Gramsci" foi traduzido em italiano em 2006 e editado pela Unicopli.

Junto com o professor italiano Giorgio Baratta foi um dos fundadores e diretores da ""International Gramsci Society" desde seus primeiros anos e, em especial, hà quando participou da Conferência internacional realizada em Napoli em 1997. Com a sua participação na associação Coutinho estabeleceu com várias gerações de diferentes nacionalidades uma relação baseada na aceitação das diferenças e na rejeição do sectarismo, mantendo suas convicções. Esta grande lição de estilo político continua sendo uma das coisas mais preciosas de seu ensino.

Quando morreu, na revista italiana “Crítica marxista”  (A. 2012, n. 5, p. 59) apareceram estas palavras: "A morte de um amigo e companheiro como Carlos Nelson Coutinho tira da revista um colaborador regular e um interlocutor atento, importante para entender o que acontece em um continente tão vital como a América Latina. Mas, acima de tudo, priva-nos de uma pessoa extraordinária de grande simpatia, humanidade, humor e inteligência. "               

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Bibliografia
Algumas materias de e sobre Carlos Nelson Coutinho na Revista italiana “Critica Marxista”:
La società civile in Gramsci e il Brasile di oggi, n. 3-4 (mag.-ago. 2000), p. 68-80
L’universalità di Gramsci, n. 6 (nov.-dic. 2000), p. 74-75
LuKács e Gramsci: un’analisi comparativa, n. 1 (2012), p. 45-56
Un gramsciano in Brasile. L’opera di Carlos Nelson Coutinho, n. 1 (2012), p. 59-60

Obras
De Rousseau a Gramsci - Ensaios de Teoria Política, Boitempo, 2011
Contra a Corrente, Cortez, 2008
Intervenções - O Marxismo na Batalha das Ideias, Cortez, 2006.
Cultura e Sociedade no Brasil, Expressão Popular, 2011; 1ª ed.: DP&A Editora, 2005.
Lukács, Proust e Kafka, Civilização Brasileira, 2005
Ler Gramsci - Entender a Realidade, Civilização Brasileira, 2003; 2ª ed.: 2011.
Gramsci - Um Estudo Sobre o Seu Pensamento Político, 1999
Gramsci e América Latina, Paz e Terra, 1998
Marxismo e Política, Cortez, 1994.
Democracia e Socialismo, Cortez, 1992.
Introducción a Gramsci, México, Ediciones Era, 1986.
Literatura e Ideología en Brasil, Havana, Casa de Las Américas, 1986.
A Dualidade de Poderes. Brasiliense, 1985.
A Democracia como Valor Universal, ed. Ciências Humanas, 1984.
Gramsci. Editora P&PM, 1981.
O Estruturalismo e a Miséria da Razão, Expressão Popular, 2010; 1ª ed.:Ed. Paz e Terra, 1972. Georg Lukacs. Marxismo e Teoria da Literatura, Civilização Brasileira, 1968.
Literatura e Humanismo, Editora Paz e Terra, 1967