L'ANGOLO DELLA POESIA - "LA LUNE DE GORÉE" DE JOSE' CARLOS CAPINAN
José Carlos Capinan
La Maison des Esclaves nell'isola di Gorée. Foto di J.C.C.
TESTO IN ITALIANO   (Texto em portugûes)

Introduzione di A.R.R.

José Carlos Capinan ha scritto questa poesia nel 1989, bicentenario della Rivoluzione Francese, quando, "tornando da Parigi, mi fermai a Lisbona e da lì volai a Dakar per la prima volta...". Fu durante un viaggio all’isola di Gorée che si trova al largo della costa del Senegal, di fronte a Dakar, Africa occidentale, e proclamata Patrimonio dell'Umanità dall'UNESCO nel 1978. Un’isola piena di colori ove il giallo e il rosso predominano, ma l'importanza storica del luogo è legata alla memoria della sofferenza causata da secoli di schiavitù. Infatti l'isola di Gorée, tra il secolo XV e il XIX fu un importante centro del commercio degli schiavi nel continente. Scoperta nel 1444 dai portoghesi, l'isola si estende lungo 1 km ed è caduta, nel tempo, nelle mani dei francesi, olandesi e inglesi. Gorée costituiva il punto di partenza per il "viaggio di non ritorno" di bambini, donne e uomini africani, venduti come schiavi per lavorare nelle colonie europee del Nuovo Mondo.

Ancora oggi c'è polemica sul numero di schiavi che hanno lasciato l'isola, ma vi è una stima del numero totale di tutta l'Africa. Sono dai 12 ai 15 milioni gli africani che hanno dovuto lasciare il luogo di nascita e sono stati trascinati nelle navi negriere per poi lavorare, ridotti in schiavitù, nelle piantagioni di zucchero, cotone, tabacco, caffè, e miniere al di là dell’Atlantico. Ricordiamo che in Brasile il traffico negriero durò tre secoli  e fu il Paese che più importò schiavi. Importò il 40% di tutti gli africani giunti vivi nell'America. Fu l' ultimo  Paese ove, nel 1888, venne abolita la schiavitù, sebbene una forma di sfruttamento e violenza sociale, legata alla schiavitù, continuò a perpetuarsi. Ma la presenza africana ebbe un grande impatto demografico e culturale che ha marcato la cultura brasilaina. Secondo José Carlos Capinan, Presidente dell’Amafro che coordina il progetto del Muncab (Museo della Cultura afro-brasiliana) “è il contrappunto dell’albero dell’oblìo. Noi siamo l’albero della Memoria”. 

Sull'isola di Gorée si trova la "Maison des Esclaves", la casa del commercio di africani ridotti in schiavitù, dove sono passati milioni di prigionieri. E ' simbolo dello sfruttamento umano e una scuola per le generazioni attuali, di  grande importanza per la Diaspora Africana. Costruita nel 1786, la Casa degli Schiavi (Maison des Esclaves) conteneva i prigionieri rinchiusi in celle diverse, a seconda dell'età e del sesso. Ce n’era anche una riservata ai bambini. Passeggiando è impossibile non immaginare quanto debbano aver sofferto in quei buchi scuri e umidi, mangiando meno del minimo necessario e sapendo che li attendeva un viaggio senza ritorno denso di sfruttamento, frustate, sofferenza e umiliazione. "Conoscendo la Maison d’Esclaves, ebbi la sensazione di essere già stato in quel posto," ricorda Capinan "L'impressione fu così profonda che, di notte, nella solitudine dell 'hotel, venni ispirato a scrivere, direttamente in francese, le parole di questa poesia che poi venne musicata da Gilberto Gil”.

La Luna che si eleva
sull’isola di Gorée
è la stessa Luna che
si eleva nel mondo intero 

Ma la Luna di Gorée
ha un colore profondo,
che non esiste uguale
in altra parte del mondo.
E’ la Luna degli schiavi.
La Luna del dolore.

Ma la pelle che copre
i corpi di Gorée
è la stessa pelle che copre
Tutti gli uomini del mondo.

Ma la pelle degli schiavi
Ha un dolore profondo
che non esiste uguale
in altro uomo del mondo
La pelle degli schiavi è
Una bandiera di Libertà

Traduzione di Antonella Rita Roscilli

QUI IL VIDEO CON LA CANZONE INTERPRETATA DA GILBERTO GIL 
http://www.youtube.com/watch?v=nPkExHTMRX8




---------------------------------------------------------------------
José Carlos Capinan è poeta, compositore, scrittore e medico, una delle figure più significative nella cultura di Bahia e del Brasile. A Salvador è presidente della "AMAFRO" (Società degli Amici della cultura afro-brasiliana) e coordinatore del progetto del MUNCAB (Museo Nazionale di Cultura Afro-brasiliana). Ha partecipato alla strutturazione della TV Educativa e ha creato vari programmi, oltre a consulenza e progetti di marketing nelle posizioni occupate culturali e politiche, e hanno importanti come presidente del Forum della Cultura e Sottosegretario di Stato alla Cultura della città di Camaçari. Laureato in Medicina, in Diritto e Arti Sceniche alla UFBA (Università Federale di Bahia), fece parte del movimento tropicalista. E' autore di innumerevoli poesie e testi poetici, divenuti canzoni e successi nel mondo. Con Gilberto Gil ha scritto una delle canzoni più famose nel mondo: "Soy Loco por ti, América", e un  classico tropicalista dal titolo "Miserere Nobis". Con partner come Tom ha composto la piéce teatrale "Bumba-Meu Boi". Con partner come Geraldo Azevedo, João Bosco, Paulinho da Viola, Edu Lobo, Caetano Veloso, tra gli altri, ha composto successi musicali brasiliani, come "Ponteio" e "Moça Bonita" e "Papel Maché", tra gli altri. E' presente nell' antologia “26 poetas hoje” (1976), a cura di Heloísa Buarque de Hollanda. Tra i libri pubblicati, in particolare “Uma canção de amor às árvores desesperadas”, “Signo de Navegação Bahia e Gente” e “Estrela do Norte, Adeus”,"Balança mas Hai Kai" (Editore BDA-Bahia, 1995), (Editora BDA-Bahia, 1995), “Inquisitorial” (Civilização Brasileira, 1995) e “Confissões de Narciso” (Civilização Brasileira, 1995).








-------------------------------------------------------------------------------


TEXTO EM PORTUGÛES   (Testo in italiano)

LA LUNE DE GORÉE di José Carlos CAPINAN

Introdução di A.R.R.


José Carlos Capinan escreveu este poema em 1989, bicentenário da Revolução Francesa, " ... quando voltava de Paris e, depois de uma troca em Lisboa, voei para Dakar, Senegal, pela primeira vez..." Foi durante a viagem para a Ilha de Gorée, que està localizada ao largo da costa do Senegal, em frente a Dakar, na Africa Ocidental e foi proclamada pela UNESCO patrimonio da Humanidade pela Unesco em 1978. Uma ilha densa de cores onde ressaltam o vermelho e o amarelo, mas a importância desse lugar para a história está ligada à memória do sofrimento causado pelos séculos de escravidão. A ilha de Gorée , entre os séculos XV e XIX era um dos maiores centros de comércio de escravos do continente. Descoberta em 1444 pelos portugueses, a ilha, que não chega a ter nem 1km de extensão, foi disputada por muitas coroas da Europa, passando ao longo do tempo pelas mãos de franceses, holandeses e ingleses. Gorée serviu de ponto de partida para a "viagem sem regresso" de crianças, mulheres e homens africanos capturados e vendidos como escravas para trabalhar nas colônias europeias do Novo Mundo. Ainda hoje há controvérsia sobre o número de escravos que partiram da ilha, mas existe uma estimativa do contingente total de toda a África. Foram cerca de 12 a 15 milhões de negros que deixaram o lugar onde nasceram para trabalhar, escravizados, nas plantações de açúcar, algodão, tabaco, café, e nas minas do outro lado do Atlântico.

O Brasil manteve o trafico negreiro durante 3 séculos e foi o País que mais importou escravos.
Para se ter uma idéia, importou 40 % de todos os africanos chegados vivos na America. Foi o último País onde foi abolida a escravidão, apesar de uma especie di violencia social, ligada à escravidao, se perpetuou depois, mais tarde. A presencia africana teve um grande impacto demografico e um impacto cultural que marcou  o cresci mento  da cultura brasileira. Para José Carlos Capinan, Presidente da Amafro que  tem como objetivo o projeto do Muncab (Museu da cultura afro-brasileira) em  Salvador Bahia “è’ o contraponto da árvore do esquecimento. Nós somos a árvore da Memória”.

Na ilha de Gorée existe a "Maison des Esclaves" onde passaram milhões de africanos prisoneiros.E' um símbolo da exploração humana e uma escola para as gerações actuais, com grande importância para a  Diáspora africana. Construída em 1786, a Casa dos Escravos (Maison des Esclaves) era o lugar onde as pessoas capturadas ficavam enclausuradas em diferentes celas, de acordo com a idade e o sexo. Existia inclusive uma delas reservada às crianças. Caminhando pelo local é impossível não imaginar o quanto deviam sufrer ficando num daqueles buracos escuros e úmidos, comendo menos do que o mínimo necessário e soubendo que os esperava um caminho sem retorno, de exploração, sofrimento e humilhação. "Ao conhecer a Maison des Esclaves, tive a sensação de já ter estado naquele local" recorda Capinan "A impressão foi tão profunda que, à noite, na solidão do hotel, os eguns me ditaram em francês a letra que Gil musicou."

A Lua que se ergue
Na ilha de Gorée
É a mesma Lua
Que se ergue no inteiro mundo

Mas a Lua de Gorée
Tem uma cor profunda
Que não existe
Em outras partes do mundo
É a Lua dos escravos
É a Lua da dor

Mas a pele que cobre
Os corpos de Gorée
É a mesma pele que cobre
Todos os homens do mundo

Mas a pele dos escravos
Tem uma dor profunda
Que não existe de forma alguma
Em outros homens do mundo
É a pele dos escravos
Uma bandeira de liberdade

----------------------------------------------------------------------------------------
TESTO ORIGINALE IN FRANCESE

La lune qui se lève
Sur l'île de gorée
C'est la même lune qui
Sur tout le monde se lève

Mais la lune de gorée
A une couleur profonde
Qui n'existe pas du tout
Dans d'autres parts du monde
C'est la lune des esclaves
La lune de la douleur

Mais la peau qui se trouve
Sur les corps de gorée
C'est la même peau qui couvre
Tous les hommes du monde

Mais la peau des esclaves
A une douleur profonde
Qui n'existe pas du tout
Chez d'autres hommes du monde
C'est la peau des esclaves
Un drapeau de liberté

Tradução do francês ao português de Antonella Rita Roscilli

AQUI O VIDEO DA CANÇÃO DE GILBERTO GIL
http://www.youtube.com/watch?v=nPkExHTMRX8







--------------------------------------------------------------------
José Carlos Capinan è poeta, compositor, roteirista e médico, uma das personalidades culturais mais representativas da Bahia e do Brasil. E' presidente da AMAFRO (Sociedade de Amigos da Cultura Afro-Brasileira) e coordenador do projeto do MUNCAB (Museu Nacional da Cultura Afro-Brasileira) na cidade de Salvador (Bahia). Participou da estruturação da TVE e criação de diversos programas para o seu lançamento, além de dar consultorias e projetos na área de marketing político e cultural, e de ter ocupado cargos importantes, como Presidente do Fórum Estadual de Cultura e Secretário da Cultura da cidade de Camaçari. Formado em Medicina, Direito e Artes Cênicas na UFBA, é integrante do movimento Tropicalista. Autor do importante texto “Soy Loco por ti, América”, e de um dos clássicos tropicalistas, “Miserere Nobis”. Com parceiros como Tom Zé compôs a famosa peça "Bumba-Meu Boi". Faz parte da antologia “26 poetas hoje”, organizada por Heloísa Buarque de Hollanda. E' autor de inúmeros poemas e textos poéticos que viram cançançõe e sucessos conhecidos no mundo inteiro. Com parceiros como Geraldo Azevedo, João Bosco, Paulinho da Viola, Edu Lobo, Caetano Veloso, entre muitos outros, compôs inumeros sucessos da música brasileira, como “Ponteio” e “Moça Bonita” e “Papel Maché”, entre outros. Entre os livros lançados, destaque para “Uma canção de amor às árvores desesperadas”, “Signo de Navegação Bahia e Gente” e “Estrela do Norte, Adeus”,“Balança mas Hai Kai” (Editora BDA-Bahia, 1995), “Inquisitorial” (Civilização Brasileira, 1995) e “Confissões de Narciso” (Civilização Brasileira, 1995).
 
 

Isola di Gorée-Senegal. Foto di J.C.C.