Editoriale
Il Direttore
Fotografia di Edson Ferreira
TESTO IN ITALIANO   (Texto em portugûes)

Cari Lettori,
                     con questo Numero Speciale vogliamo festeggiare la memoria dello scrittore e intellettuale brasiliano Julio Monteiro Martins che il 2 luglio avrebbe compiuto 60 anni. Proprio per questo, in suo Omaggio, abbiamo deciso di far uscire proprio oggi il numero della nostra rivista. 

Oggi che è anche la data che ricorda l'Indipendenza dello stato di Bahia, oggi che è anche il compleanno della memorialista brasiliana Zélia Gattai, moglie dello scrittore Jorge Amado.

Oggi a Lucca si terrà uma grande festa in onore di Julio Monteiro. "Si svolgerà in una biblioteca vicino a Lucca a lui molto cara e sarà una serata sul tema dell'amore visto da Julio con suoi racconti, poesie, interviste, videoproiezioni e musica brasiliana suonata dal suo migliore amico Alberto Chicayban che vive a Udine" scrive Alessandra Pescaglini.

Julio Monteiro è stato uno dei fondatori del Partito Verde brasiliano, un avvocato dei diritti umani (difese i meninos de Rua dopo la strage della Candelaria). Ha vissuto per oltre venti anni in Italia, è stato scrittore, divulgatore e creatore di vita culturale sia in Brasile che in Italia

Articoli e testimonianze serviranno a conoscere meglio questo grande personaggio che ha lasciato una vasta bibliografia, oltre al suo alto valore come essere umano, alla sua eccelsa rivista "Sagarana" e ad una scuola di scrittura, fondata tanti anni fa a Lucca, in Toscana, ove viveva.  
Molte le persone a cui vanno i miei personali ringraziamenti. In primis Alessandra Pescaglini, grande donna e compagna di Julio. Con lei, fin dal mese di marzo abbiamo iniziato uma fitta corrispondenza Italia-Brasile, Brasile-Italia  per poter preparare questo numero. 
Il suo aiuto e la sua generosità sono stati per noi preziosissimi. 

Oltre a lei è doveroso ringraziare tutti coloro che hanno collaborato. La scrittrice brasiliana  Christiana de Caldas Brito, che vive a Roma da tanti anni, ha inviato una sua personale testimonianza. Da sottolineare che Christiana e Julio sono stati gli unici scrittori migranti che hanno avuto i loro brani scelti come traccia da sviluppare nell’esame di maturità dello Stato italiano, settore artistico-letterario. 

Dal Brasile arriva l'articolo dello scrittore  Luiz Ruffato già apparso su El Pais e su El Ghibli, ma che vogliamo riproporre per la sua intensità. Dal Brasile arriva l'ultima email che il suo amico scrittore e storico Nei Duclos mandò quando Julio era ancora in vita. Gli piacque tanto da farlo leggere al figlio Lorenzo. Dall'Italia proponiamo una lettera toccante che mandò l'antropologa Franca Dumano ad Alessandra e a Lorenzo.
Dall'Italia il ricordo letto durante la celebrazione del 27 dicembre 2014 a Lucca, scritto da Sabine Sepandj, una collega universitaria di Julio, originaria dell'Austria, e che fu anche sua studentessa.
La grande generosità di Julio emerge dal ricordo personale di Loretta Emiri e che per anni ha vissuto in Roraima (Brasile) dove ha vissuto com gli indios Yanomami.  

Nella sezione "Il racconto del mese" tra i tanti racconti scritti da Julio Monteiro abbiamo scelto: "Zargo" che appare per la prima volta anche in traduzione italiana. E' contenuto nel libro "A oeste de nada" (Editora Anima-Rio de Janeiro,  1981) e per la revisione del racconto ringraziamo il maestro Alberto Chicayban 
"Nello zainetto di Lorenzo", la poesia di Julio Monteiro dedicata al figlio Lorenzo, è invece contenuta nel libro di poesie "La grazia di casa mia" (Besa editrice 2013).

La rubrica "Boa Sorte-Storie di Emigranti Italiani in Brasile" a cura di Andrea Lilli è dedicata invece ad un personaggio molto speciale: padre Renzo Rossi, un essere umano speciale, un sacerdote toscano che visse per molto tempo in Brasile dedicandosi coraggiosamente al Bene Comune e agli Altri, in particolare ai prigionieri politici durante la feroce dittatura brasiliana. 

Infine voglio ringraziare il fotografo brasiliano Edson  Ferreira per le sue bellissime fotografie che illustrano e arricchiscono vari articoli di questa edizione numero dodici.  
Buona Lettura!
               Antonella Rita Roscilli
 
 
-------------------------------------------------------------------------------


TEXTO EM PORTUGÛES   (Testo in italiano)

                                                                           
                                                                       Fotografia de Edson Ferreira
EDITORIAL
      O Diretor


Caros Leitores,
                com esta edição especial queremos celebrar a memória do escritor e intelectual brasileiro Julio Monteiro Martins que em 2 de julho teria completado 60 anos. Por esta razão, em sua homenagem, nós decidimos lançar hoje, dia 2 de julho, o novo numero da nossa revista.

Hoje é também a data em que se festeja no Brasil o dia da Independência do Estado da Bahia, e hoje também é o aniversário do memorialista brasileiro Zélia Gattai, esposa do escritor Jorge Amado.
Hoje na cidade toscana de Lucca acontecerá uma grande festa em honra de Julio Monteiro. "Vai acontecer em uma biblioteca perto de Lucca, um lugar muito caro para ele e vai ser uma noite dedicada ao Amor analisado pelo Julio através de suas histórias, poemas, entrevistas, projeções de vídeo e música brasileira tocada por seu melhor amigo Alberto Chicayban, que mora em Udine", escreve Alessandra Pescaglini, companheira de Julio Monteiro.

Julio Monteiro Martins: um dos fundadores do Partido Verde brasileiro, um advogado de direitos humanos (defendeu o Meninos de Rua depois do massacre da Candelária), um escritor que viveu mais de vinte anos na Itália e foi criador de vida cultural no Brasil e na Itália.

Artigos e testemunhos serão usados ​​para aprender mais sobre este grande homem que deixou uma vasta bibliografia, além de seu valor como ser humano, e com a sua revista sublime "Sagarana" e uma escola de escrita, por ele fundada há muitos anos em Lucca, na Toscana, onde ele morava.

Meus agradecimentos vão para muitas pessoas com que trocamos boas energias em nome de Julio.
Em primeiro lugar quero aqui agradecer Alessandra Pescaglini. Com ela, desde março trocamos uma longa correspondência de emails Itália-Brasil, Brasil-Itália, para preparar este numero da Sarapegbe. Sua Força, sua ajuda, sua Beleza e generosidade foram importantissimas ​​para nós.

Além dela, temos de agradecer a todos os outros que colaboraram. A escritora brasileira Christiana de Caldas Brito, que vive em Roma há muitos anos, enviou um delicado testemunho pessoal monstrando a generosidade e a grandeza na simplicidade. E' preciso nesse propósito destacar que Christiana e Julio foram os únicos escritores imigrantes cujos textos foram escolhidos para ser titulo de provas a ser desenvolvidos por estudantes italianos no exame de maturidade do Estado italiano, na arte literária.

Do Brasil vem o artigo do escritor Luiz Ruffato que já apareceu em El País e El Ghibli, mas è com muita honra que vamos propor-lo também para nossos leitores, pela sua intensidade. Do Brasil vem o último e-mail que seu amigo escritor e historiador Em Duclos enviado quando Julio ainda estava vivo. Ele gostou tanto que quis lê-lo para seu filho Lorenzo. Da Itália provém uma comovente carta que enviou a antropóloga Franca Dumano para Alessandra e Lorenzo.

E sempre da Itália vem o texto que foi lido durante a celebração do 27 de dezembro de 2014 em Lucca, escrito por Sabine Sepandj, um colega da universidade de Julio, da Áustria, e que foi também sua aluna.
A grande generosidade de Julio emerge do testemunho da escritora e pesquisadora etnologa Loretta Emiri, que durante anos viveu em Roraima (Brasil), onde viveu com os índios Yanomami.

Em "Il Racconto del Mese", entre as muitas histórias escritas por Julio Monteiro, escolhemos "Zargo", que aparece pela primeira vez em tradução italiana. Até agora foi publicado somente no Brasil e faz parte do livro "A oeste de nada" (Editora Soul-Rio de Janeiro, 1981). Agradecemos o mestre Alberto Chicayban para a revisão do texto que foi traduzido por Alessandra Pescaglini.

"Nello zainetto di  Lorenzo", é uma poesia em italiano de Julio Monteiro, dedicada a seu filho Lorenzo, quando criança e está contida no livro de poemas "La grazia della mia casa" (Besa editore, 2013).
A coluna "Boa Sorte. Storie degli emigranti italiani in Brasile" com curadoria de Andrea Lilli è dedicada a Renzo Rossi, um ser humano especial, um padre toscano que morou no Brasil, e particularmente na Bahia,  por um longo tempo, se dedicando corajosamente sempre ao Bem Comum, e especialmente aos presos políticos durante a brutal ditadura.

Finalmente, quero aqui agradecer ao fotógrafo brasileiro Edson Ferreira por suas belíssimas fotos que ilustram e enriquecem vários artigos nesta edição núumero doze.
Boa Leitura!
                Antonella Rita Roscilli