Il Musical brasiliano "Cartola, o Mundo é um Moinho"
Dopo i successi di São Paulo e Rio de Janeiro debutta al TCA di Salvador Bahia
Antonella Rita Roscilli
Foto Vânia Toledo
TESTO IN ITALIANO   (Texto em portugûes)

                                                                                                                                                                               News Sarapegbe
Il Musical brasiliano Cartola, o Mundo é um Moininho é nato per omaggiare il grande Cartola, compositore, cantante, poeta, chitarrista e una delle più importanti icone del samba. Con testo e adattamento di Artur Xexéo, ha debuttato a São Paolo riscuotendo molto successo. Ha poi ripetuto il successo a Rio de Janeiro, raggiungendo un totale di ben 70.000 persone in 75 spettacoli. Inoltre, durante la sua prima stagione, a São Paulo, ha giá ricevuto candidature a ben cinque Premi molto importanti.

Il Teatro Castro Alves di Salvador, capitale dello stato di Bahia, il 29 e 30 luglio 2017, ospiterá questo Musical che, in tour nazionale, arriva a Bahia con la produzione della "Selma Santos Produções". Le presentazioni soteropolitane vedranno la partecipazione speciale di due famosi cantanti: Lazzo Matumbi il 29 luglio, e Margareth Menezes il 30 luglio. Essi canteranno rispettivamente due canzoni di Cartola:  O Sol Nascerá e As Rosas Não Falam.
                                                                   
                                                                    Foto Lenise Pinheiro 

Il musical é stato ideato dall´ attore e produttore Jô Santana, regia e messa in scena di Roberto Lage. Lo spettacolo conta, per la parte delle ricerche, sull´ apporto di Nilcemar Nogueira, nipote di Cartola e attuale Segretario di Cultura di Rio de Janeiro. La direzione musicale é di Rildo Hora. Nel ruolo del protagonista troviamo l'attore Flavio Bauraqui, giá noto al pubblico brasiliano per aver interpretato films quali Madame Satã, Nise, Faroeste Caboclo, O Cheiro do Ralo, oltre a diverse telenovelas della TV Globo.  

Con lui  sulla scena si alternano diciotto attori e otto musicisti. Il Musical racconta i fatti salienti della vita di Cartola intervallati da sue canzoni che affrontano amore e conflitti della vita quotidiana. Ma vuole ricordare Cartola anche come coo-fondatore di una delle piú antiche e certamente la piu´popolare Scuola di  Samba, la G.R.E.S.  Estação  Primeira  de  Mangueira. Cosí la  trama è disegnata  proprio a  partire dall´interno di una Scuola di Samba.
                                                                    
Da lì inizia una  deliziosa storia, ricca di fatti sorprendenti della vita e dell´ opera musicale del sambista, oltre a raccontare i conflitti del quotidiano nella costruzione di una sfilata di carnevale.  Le immersioni musicali rivelano anche il cuore dello stesso  Cartola e l´amore per Dona Zica, la donna con la quale condivise  26 anni della sua vita. Arlindo Cruz, in collaborazione con Igor Legal, ha composto, in esclusiva, il samba-enredo Mestre Cartola che conclude lo spettacolo. 

                                                                         
                                                                      Foto Lenise Pinheiro

"Questo Musical ha acquisito una importanza che va oltre la messa in scena della piéce, fino a diventare quasi azione di alto riconoscimento di artisti afrodiscendenti di questo Paese, oltre a rivelare nuovi talenti tra attori e attrici afrodiscendenti" ha dichiarato Jô Santana, ideatore e  produttore del progetto. Il musical concorre finora a 5  importanti Premi: Melhor Visagismo - Prêmio Arte Qualidade Brasil, Melhor Ator Flavio Bauraqui - Prêmio Aplauso Brasil, Melhor Espetáculo Musical - Prêmio Aplauso Brasil, Melhor Ator Flavio Bauraqui - Prêmio APCA, Melhor ator Flavio Bauraqui - Prêmio Revista Quem. Dopo Salvador lo spettacolo sará presentato nelle cittá di Maceió, João Pessoa, Goiânia e Belo Horizonte. E speriamo che presto si possa applaudire anche in Italia.                                                               
Breve Biografia di Cartola: Angenor de Oliveira, meglio conosciuto come Cartola (Rio de Janeiro, 11 ottobre 1908 - Rio de Janeiro, 30 novembre 1980), cantante, cantautore, poeta e chitarrista brasiliano. Considerato da molti musicisti e critici come il più grande sambista nella storia della musica brasiliana, nacque nel quartiere di Catete, ma trascorse la prima infanzia nel quartiere di Laranjeiras. Apprese dal padre a suonare chitarra e cavaquinho. A causa di difficoltà economiche la famiglia fu costretta a trasferirsi nella favela della Mangueira che iniziava a svilupparsi. Cartola cominció a lavorare come operaio e a causa del cappello che indossava, ottenne il soprannome di Cartola. Insieme ad un gruppo di amici sambisti della favela della Mangueira, Cartola creó il Bloco dos Arengueiros, il cui nucleo nel 1928 fondo´la famosa Scuola di Samba della Mangueira per la quale compose il primo samba: Chega de Demanda. I samba composti da Cartola divennero famosi negli anni ´30 e vennero interpretati da voci illustri come Araci de Almeida, Carmen Miranda, Francisco Alves, Mário Reis e Sílvio Caldas. Tra i suoi più grandi successi ricordiamo  A sorrir, As Rosas não Falam, Preciso me encontrar O sol nascerá e O Mundo é um Moinho, canzone che é stata scelta per dare il titolo al Musical. 



----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Antonella Rita Roscilli. Brasilianista, scrittrice, ricercatrice e traduttrice. Da oltre venti anni si dedica alla divulgazione in Europa della cultura latino americana, soprattutto cultura e attualità del Brasile, oltre ai Paesi dell’Africa di lingua portoghese, attraverso articoli pubblicati in giornali e riviste accademiche, partecipazioni in convegni e conferenze nazionali e internazionali. Laureata in Italia in Lingua e Letteratura Brasiliana, è in Brasile Mestra em Cultura e Sociedade. In Brasile é stata eletta Membro  Corrispondente per l´Italia della Academia de Letras da Bahia (ALB), e Membro Corrispondente dell'Istituto Storico Geografico (GHB). Ideatrice nell'area documentaristica. Ha tradotto in italiano articoli, opere e racconti di autori come Carlos Nejar, Sérgio Paulo Rouanet, Mia Couto, Luiz Ruffato, Jorge Amado, Zélia Gattai ecc. E' biografa della memorialista brasiliana di origini italiane Zélia Gattai Amado, sulla quale ha pubblicato le opere Zélia de Euá Rodeada de Estrelas (ed. Casa de Palavras, 2006), Da palavra à imagem em “Anarquistas, graças a Deus” (ed. Edufba/Fapesb, 2011) e Zélia Gattai e a Imigração Italiana no Brasil entre os séc. XIX e XX (ed. Edufba 2016. E´sua la post-fazione dell’edizione italiana Un cappello di viaggio (ed. Sperling &Kupfer).


 
© SARAPEGBE                                                             
E’ vietata la riproduzione, anche parziale, dei testi pubblicati nella rivista senza l’esplicita autorizzazione della Direzione

-------------------------------------------------------------------------------


TEXTO EM PORTUGÛES   (Testo in italiano)

O Musical “Cartola, o Mundo é um Moinho” chega ao TCA de Salvador Bahia
por
Antonella Rita Roscilli

                                                                         
                                                                       Foto: Vânia Toledo
                                                                                                                                                  News Sarapegbe
O Musical brasileiro Cartola, o Mundo é um Moinho, com dramaturgia de  Artur Xexéo, quer homenagear um dos maiores ícones do samba: Angenor de Oliveira, mais conhecido como Cartola (1908-1980), compositor, cantor, poeta e violonista. Nos dias, 29 e 30 de julho  o Teatro Castro Alves da cidade de Salvador se transformará na avenida pela qual passará este musical, que já desfilou com enorme sucesso por São Paulo e Rio de Janeiro, e faz agora turnê nacional chegando na Bahia com produção local da Selma Santos Produções. Em Salvador terá participação especial do cantor Lazzo Matumbi no dia 29 e da cantora Margareth Menezes no dia 30. Eles cantarão 2 canções do Cartola: O Sol Nascerá e As Rosas Não Falam.

                                                                                                                                                                       
                                                                                  Foto Lenise Pinheiro 


O Musical  passeia por fatos marcantes da vida do mestre Cartola, entremeados por suas canções e abordando os conflitos do cotidiano da construção de um desfile de carnaval. Dezoito atores e oito músicos fazem evoluções em cena para contar a história do grande sambista. Idealizado pelo ator e produtor Jô Santana, direção e encenação de Roberto Lage, Cartola, o Mundo é um Moinho contém pesquisas de Nilcemar  Nogueira, neta de Cartola e Secretária de Cultura do Rio de Janeiro, e direção musical de Rildo Hora.

No papel principal, como Cartola, o ator Flávio Bauraqui. Com grande expressão no cinema brasileiro, ele participou dos filmes Madame Satã, Nise, Faroeste Caboclo, O Cheiro do Ralo, entre outros e também participou de várias novelas na Rede Globo. O espetáculo quer ressaltar toda trajetória de Cartola que no Rio de Janeiro foi fundador de uma das mais antigas e certamente a mais popular Escola de Samba, a G.R.E.S. Estação Primeira de Mangueira.

A trama se desenha dentro de uma escola de samba que desenvolve o cantor e compositor como enredo. A partir daí, inicia-se uma deliciosa e rica história que passeia por fatos marcantes da vida do mestre Cartola, temperado por suas belas canções e composições, e abordando os conflitos do cotidiano da construção de um desfile de carnaval. O musical mergulha fundo no coração do sambista, ao falar da paixão de Cartola pela Mangueira e pelo amor a sua companheira Dona Zica, com quem foi casado e dividiu sua vida por 26 anos.                                                                 
                                                                     
                                                                       Foto Lenise Pinheiro  
Arlindo Cruz, em parceria com Igor Legal, compôs, com exclusividade, o samba-enredo Mestre Cartola, que encerra o espetáculo. "O musical ganhou proporções maiores do que apenas uma peça teatral, se tornando uma grande ação de empoderamento dos artistas negros deste país, além de revelar novos talentos/atores e atrizes negros”, declara Jô Santana, idealizador e produtor do Projeto.
“Cartola, o Mundo é um Moinho” estreou em São Paulo com grande sucesso, e depois repetiu esse sucesso no Rio de Janeiro, totalizando mais de 70 mil pessoas em 75 apresentações.
                                                                     
Na sua primeira temporada, realizada em São Paulo recebeu indicações a 5 prêmios: Melhor Visagismo - Prêmio Arte Qualidade Brasil, Melhor Ator Flavio Bauraqui - Prêmio Aplauso Brasil, Melhor Espetáculo Musical - Prêmio Aplauso Brasil, Melhor Ator Flavio Bauraqui - Prêmio APCA, Melhor ator Flavio Bauraqui - Prêmio Revista Quem. O Musical é apresentado pelo Ministério da Cultura e a Rede, tem  apoio do Museu do Samba e patrocínio da Rede e Renner, Transportadora oficial Avianca e promoção da Rede Globo. Durante sua temporada nacional o espetáculo percorrerá ainda Maceió, João Pessoa, Goiânia e Belo Horizonte.                                                                             
Breve Biografia de Cartola. Angenor de Oliveira, mais conhecido como Cartola (Rio de Janeiro, 1908- Rio de Janeiro, 1980), era cantor, compositor, poeta e violonista. Foi já considerado por diversos músicos e críticos como o maior sambista da história da música brasileira. Nasceu no bairro do Catete, mas passou a infância no bairro de Laranjeiras. Tomou gosto pela música e pelo samba ainda menino e aprendeu com o pai a tocar violão e cavaquinho. Dificuldades financeiras obrigaram a família numerosa a se mudar para o morro da Mangueira, onde começava a despontar uma favela. Angenor arranjou emprego de servente de obra e passou a usar um chapéu-coco para se proteger do cimento que caía de cima. Por usar esse chapéu, ganhou dos colegas de trabalho o apelido "Cartola". Junto com um grupo de amigos sambistas do morro, Cartola criou o Bloco dos Arengueiros, cujo núcleo em 1928 fundou a Estação Primeira de Mangueira. Ele compôs também o primeiro samba para a escola de samba, Chega de Demanda. Os sambas de Cartola se popularizaram na década de 1930, em vozes ilustres como Araci de Almeida, Carmen Miranda, Francisco Alves, Mário Reis e Sílvio Caldas. Entre os maiores sucessos do grande sambista, destacamos A sorrir, As Rosas não Falam, Preciso me encontrar e O Mundo é um Moinho, música que foi escolhida para dar o título ao Musical.
 
------------------------------------------------------------------------------------
© 2016-SARAPEGBE
É proibida a reprodução, mesmo que parcial, dos textos publicados na Revista sem a explícita autorização da Direção.

 


Antonella Rita Roscilli. Brasilianista, jornalista, escritora, pesquisadora e tradutora. Há mais de vinte anos vem se dedicando à divulgação na Europa da cultura latino americana, particularmente da cultura do Brasil, além dos Países da África de lingua portuguesa através de matérias publicadas em jornais, revistas acadêmicas e palestras. Formada na Itália em Lingua e Literatura Brasileira, è no Brasil Mestre em Cultura e Sociedade. Foi eleita Membro correspondente da Academia de Letras da Bahia (ALB) e Membro Correspondente do Instituto Geográfico Histórico (IGHB). Traduziu para o italiano artigos, contos e obras de autores quais Carlos Nejar, Sérgio Paulo Rouanet, Mia Couto, Luiz Ruffato, Jorge Amado, Zélia Gattai etc. Biografa da memorialista brasileira Zélia Gattai, publicou sobre ela as obras literárias: Zélia de Euá Rodeada de Estrelas (ed. Casa de Palavras, 2006), Da palavra à imagem em “Anarquistas, graças a Deus” (ed. Edufba/Fapesb, 2011), Zélia Gattai e a Imigração Italiana no Brasil entre séc XIX e XX"(ed. Edufba-2016). E´dela o posfácio da edição italiana de Um chapéu para viagem, (Un cappello di viaggio, ed. Sperling & Kupfer).