LA "BIBLIOTECA JORGE AMADO" DELL'ACADEMIA DE LETRAS DA BAHIA IN BRASILE in italiano e portoghese
Edivaldo M. Boaventura
La Biblioteca "Jorge Amado" dell'ALB a Salvador Bahia. Foto di Bruno Lopes
TESTO IN ITALIANO   (Texto em portugĂ»es)

Durante il centenario di Jorge Amado, apertosi il 10 agosto 2012, molti studiosi hanno intensificato le ricerche sull'opera del grande romanziere. Allo stesso tempo, chi lo ha conosciuto più da vicino, ricorda l'uomo attento, educato, semplice e generoso nel'accogliere. 

Le celebrazioni per i cento anni ricompongono momenti indimenticabili come la visita del ministro della Cultura francese, Jack Lang. Programmammo insieme la visita. Jorge gli offrì un democratico pranzo nel ristorante Maria de Sao Pedro, nel Mercado Modelo di Salvador Bahia. Mi occupai della parte ufficiale, della visita al governatore che ricevette dal ministro una bella procellana di colore azzurro marino con fregi dorati della Manifattura Ufficiale di Sèvres.  Durante il pranzo allo Yacht Club , il ministro mi rivelò che il governo francese aveva conferito a Jorge il titolo nella Legion d'Onore. Fui il primo a saperlo e subito lo comunicai ai presenti. .

Tornato a vivere a Salvador, nella casa di Rio Vermelho, all'inizio degli anni Sessanta del  Secolo XX, Jorge Amado si reintegrò alla vita della città e della sua gente . Con gli amici della sua generazione, presso l'Accademia di Lettere, era logico che si pensasse all suo ingresso. Tuttavia, inizialmente, Jorge non accettò l'invito e indicò il narratore Vasconcelos Maia, che si insediò senza un discorso formale, lesse un racconto. Nel 1961 Jorge successe a Otávio Mangabeira  nell''Accademia Brasiliana.

Dopo qualche tempo, gli accademici insistettero per il suo ingresso nella Casa di Arlindo Fragoso . Jorge accettò e prese il posto di Estacio de Lima. Nel giorno che doveva prendere possesso del seggio utilizzò uno smoking caldo e scomodo che lo faceva sudare molto mentre leggeva il suo discorso. Diede la massima attenzione alla cerimonia di inaugurazione  e portò insieme alla famiglia un gruppo di amici di San Paolo e Rio de Janeiro. La sera del 7 Marzo 1985 fu bellissima. 

Iniziò con il patrono del seggio Francesco Bonifacio de Abreu , Barone di Vila da Barra , traduttore della "Divina Commedia" di Dante, preferì ricordarlo come il romanziere di "Teresina" e "Palmira" o "L'hostess e altre"... Il modo elegante in cui parlà dei predecessori conferma che un seggio accademico è un monumento per quello che accumula in cultura e conoscenza. Prolungando quel momento, pronunciai un discorso inaugurando una statua col suo busto, realizzata da Celita Vacanti , nel giardino delle sculture .

Jorge era lo stesso al di fuori del mondo accademico. Sempre premuroso con i più semplici negli incontri della vita. A volte, quando ci diede l'onore di pranzare insieme, alla fine non ringraziava solo mia moglie Solange, ma andava in cucina per ringraziare la cuoca. E una volta inviò alla nostra Maria José un libro con dedica. Posso dire che fu il primo commensale che vidi salutare regolarmente la cuoca con naturalezza e affetto. Quando viaggiava mi inviava sempre cartoline. Conoscendo la mia scelta dell' insegnamento, di ritorno da un viaggio a Cuba , mi portò una scatola di libri sulla educazione cubana .

Quando gli consegnai la Medalha Castro Alves ricordai la sua unica esperienza di insegnamento come professore visitante nella cara University State Pennsylvania. Con il professor Gerald Moser , Jorge creò il Clube do Bate-Papo. 
Fu grande la mia emozione quando il curatore delle opere rare della Pattee Library mi mostrò i suoi romanzi autografati e gelosamente custoditi accanto alla bella edizione de "l Lusiadi" e libri italiani del XVI e XVII secolo . Ebbi così l'orgoglio di trovare un un brasiliano tra i maggiori scrittori dell'umanità! Quando lo abbracciai , dopo avergli messo la Medalha Castro Alves sul lato sinistro del petto mi disse : "Mi hai fatto emozionare. "

Vicino a lasciare l'incarico di segretario, mi consegnà la Medalha Machado de Assis dell' Academia Brasileira de Letras. 
Commemorare il centenario è ricordare letture, passaggi e incontri . Con le sue opere Jorge Amado ha scritto una rapsodia, con vivaci colori dei capitani della spiaggia, dei coronéis, degli assassini per le terre, di prostitute e vagabondi, di agguati e incantesimi . Concepì Bahia nella sua pienezza sociale . Bahia si ritrova nella sua opera con tutto il suo imponderabile. I "Capitães da areia"  è un'anteprima pioneristica, umana e straordinaria dei bambini di strada. 

La coltivazione del cacao , incentrata sui problemi della terra, le battaglie della vita e della morte . La venuta di sergipani e arabi , siriani e libanesi , che noi chiamavamo Turchi . Turchi , si capisce , a causa del passaporto dell'antico impero ottomano . Come figlio di sergipano, Jorge sentiva profondamente la lotta del padre che sfidava la foresta per piantare cacao.
Anni dopo visse a Estancia , Sergipe , confinato dall' Estado Novo . La dittatura di Vargas non ha scherzato con nessuno, soprattutto con i membri del Partito comunista . Poi incarcerò anche i fondamentalisti .

Seguono i grandi romanzi urbani dei personaggi con i quali conviviamo. Tipi che incontriamo nella nostra vita quotidiana . Vadinho è il più noto di tutti. Baiano cresciuto a Salvador senza grandi impegni se non con la sua stessa vita . Tieta , la donna della campagna che fece la vita a San Paolo guadagnò e tornò. La campagna o il sertão baiano non potevano stare assenti nella geografia tematica dello scrittore .

Jorge incontrò Salvador nella gioventù. Venne a Bahia per studiare nel Colégio Antônio Vieira , come molti dei figli della coltura. Conobbe Padre Luiz Gonzaga Cabral , che scoprì molto presto il suo talento di scrittore in un componimento sul lare. Il gesuita lo introdusse nella letteratura mondiale. Ma un giorno il ragazzo Grapiúna fuggì, si liberò dal collegio e si rifugiò nella casa dei nonni paterni a Sergipe . Lo zio Alvaro lo ritrovò e cos' ritornò a studiare nel ginnasio Ipiranga . Segue il suo destino di giovane adulto . Passa dal quotidiano "O Imparcial", come molti della sua generazione. Vai a Rio. Milita nel Partito Comunista . Poi gira per il Brasile e per il mondo. 

Negli anni Sessanta , tornò per stare nella casa accogliente di Rio Vermelho. Vivere a Bahia con tutte le misture. Campo straordinario di osservazione e percezione acuta e profonda , patria dei suoi personaggi meravigliosi . C'è un Jorge de Ilhé e un Jorge della città di Bahia. Pertciò in lui esiste tutta la complessa Bahia, delle misture, a volte difficile da percepire dagli altri. Aiutò a comprendere il Brasile come un Paese tropicale e meticcio e lo dimostrò. Tutta la sua opera anto, è l' intero complesso Bahia , miscele , talvolta difficile essere percepito da altri. Ha aiutato a capire il Brasile come un paese tropicale e meticci.

Perciò parte e termina a Bahia , un luogo dove ci sono persone che soffrono e gioiscono, come lui ha dimostrato . Tutto il suo lavoro è una tesi su Bahia , la sua gente , il loro comportamento. 
Vivendo nella città di Bahia convive con tutti. Registra tutto , non ricostruisce . Penso che sia importante vedere come captò il procedere baiano. La trama di strapazzi e pettegolezzi , conversazioni e modi di dire graziosi e piccanti. Dona Flor è una cittadina che possiede ricette di dolci  che tutti conosciamo. Gabriela è un'altra creazione monumentale . E ' la natura selvaggia . Potente e portentosa. Per quanto riguarda Gabriela preferiscono la languidezza scura di Sonia Braga . Come Jorge catturò il gusto medio del nostro popolo !

Per commemorare il centenario , ho riletto di getto "O menino grapiúna". Le vite di tanti altri ragazzi che hanno vissuto da bambini la saga del cacao . Con la vittoria dei genitori , vennero a studiare a Bahia . Ho avuto diversi colleghi che nel collegio mi raccontavano storie simili .
Per celebrare il centenario , ho riletto il "Cancioneiro de Castro Alves, o ABC do Poeta". E 'una biografia del nostro poeta più diffuso nel mondo . Una volta terminata la lettura , molto tempo fa gli inviai una lettera . Mi rispose in modo delicato: " Castro Alves e Rui Barbosa sono due poli della cultura baiana". 
Infine , dalla Casa do Rio Vermelho passò alla Casa Góes Calmon . Si unì ad amici nella convivenza accademica .

Inaugurammo il suo busto nel giardino dell''Academia de Letras da Bahia e in questo centenario , inauguriamo la Biblioteca col suo nome. Ricordando questo insolito incontro di Jorge nella Pattee Library, ho proposto che la biblioteca dell'Accademia di Lettere di Bahia fosse intitolata a lui. La mia indicazione avvenne l'anno scorso, nel 2011, e pensavo al centenario del 10 agosto 2012. La proposta fu accettata all'unanimità. Inoltre, il dedicato presidente dell'Academia, lo scrittore Aramis Ribeiro Costa, accettò il suggerimento denominando ufficialmente la Biblioteca Jorge Amado nel festeggiato mese di agosto 2012.
L'Academia quindi ha seguito l'esempio della Biblioteca Ruy Barbosa , l' Istituto Geografico e Storico di Bahia , della Biblioteca Anisio della Facoltà di Educazione della UFBA . Più di recente , l'Instituto Cervantes ha onorato Nelida Piñon intitolandole la Biblioteca. 

La piccola collezione di libri dell'Academia , dalla vecchia sede nel Terreiro de Jesus crebbe grazie alle donazioni individuali , e soprattutto per l'insieme di collezioni e biblioteche . Integrò la preziosa biblioteca di Odorico Tavares , ricca di libri con dediche come quelle di Carlos Drummond de Andrade . Collezioni di Waldir de Oliveira Souza e Álvaro Nascimento arricchirono la collezione dell'Accademia . Amado stesso contribuì notevolmente , spesso inviando scatole piene di libri alla biblioteca che oggi porta il suo nome .  Queste opere non solo hanno aumentato la raccolta, ma hanno permesso di incontrare autori nuovi e di riunire autori baiani. La Biblioteca è aperta al pubblico, è stata consultata costantemente da studiosi e alunni.  .

La denominazione della Biblioteca con il nome di Jorge Amado, posta così sotto la sua protezione, non è solo un modo per celebrare il centenario . La designazione vuole essere più di una celebrazione fugace .  E' espressione maggiore del riconoscimento della sua grande opera e anche del nostro affetto Esprimo così la convivenza , l'amicizia e l'affetto con il caro collega Jorge Amado . Con Jorge e Zelia che si unirono nello stesso seggio numero 21 , per la continuità della successione .

Jorge dà il nome alla Biblioteca , a cento anni dalla sua nascita. In precedenza , lo rendemmo eterno nei giardini dell'Accademia . Ricordiamo emblematicamente con i greci  " nei giardini del Academo " primo riferimento al prestigioso vocabolo. L'Academia de Letras da Bahia, con onore , ha aggiunto , tra i più alti titoli di onorificenza, quello di accademico titolare del seggio n. 21 , la notte memorabile del 7 marzo 1985.

Ha voluto , però, che tra i titoli e premi , rimanesse ben fissato nel suolo dell'Accademia un altro tributo che testimoniasse la nostra ammirazione e il nostro culto votivo e affettuoso , l'eredità della sua opera che ingrandisce la nostra terra e la nostra gente. I suoi personaggi appartengono al nostro quotidiano.

Presso l'Accademia , il nostro patto di amore e di lode , per la grande bellezza e  lezione di libertà che abbiamo ricevuto dalle pagine che aprono "Il Paese del Carnevale" e la parte finale del grande "Navigazione di Cabotaggio". Il nostro patto di amore e di lode , il busto , scolpito per l'eternità dalle mani di Celita Vacanti . Il busto apre la galleria nel giardino delle sculture . Seguirono a fargli compagnia: Arlindo Fragoso , fondatore del Sodalizio , Otavio Mangabeira , che successe a Jorge nell' 'Accademia Brasileira, Pedro Calmon , Cervantes , Jorge Calmon e Goés Calmon , costruttore del Solar do Cqquende che ci ospita.  Jorge non è solo in giardino e in biblioteca , ma nel nostro ricordo reso caloroso da tanta amicizia .

Discorso pronunciato da Edivaldo M. Boaventura durante l'inaugurazione della Biblioteca dell'Academia de Letras da Bahia intitolata a Jorge Amado, in data 10 agosto 2012

Traduzione di A.R.R.
-------------------------------------------------------------------------------


TEXTO EM PORTUGĂ›ES   (Testo in italiano)

No ciclo do centenário de Jorge Amado, aberto em 10 de agosto 2012, estudiosos intensificaram a pesquisa da obra do grande romancista. Ao mesmo tempo, quem o conheceu mais de perto, recorda o homem atencioso, educado, simples no trato e generoso no acolhimento.

As comemorações dos cem anos recompõem momentos inesquecíveis como a vinda do ministro da Cultura da França, Jack Lang. Juntos programamos a visita. Jorge ofereceu-lhe um democrático almoço no restaurante Maria de São Pedro, no Mercado Modelo. Encarreguei-me da parte oficial, da visita ao governador, que recebeu do ministro uma bela porcelana azul-marinho com frisos dourados da Manufatura Oficial de Sèvres. No almoço, no Iate Clube, o ministro revelou-me que o governo francês outorgara a Jorge a distintíssima Ordem da Legião de Honra. Fui o primeiro a saber e pronto  comuniquei aos presentes.

Voltando a morar em Salvador, na casa do Rio Vermelho, no início dos anos sessenta do século XX, Jorge Amado se reintegrou à vida da cidade e de sua gente. Com amigos de sua geração, na Academia de Letras, era lógico que se cogitasse de sua entrada. Todavia, declinou, inicialmente, do convite e indicou o contista Vasconcelos Maia, que tomou posse sem discurso formal, apenas leu um conto. Jorge havia sucedido a Otávio Mangabeira, na Academia Brasileira, em 1961.

Passado algum tempo, os acadêmicos insistiram pelo seu ingresso na Casa de Arlindo Fragoso. Jorge concordou em suceder a Estácio de Lima. Para a posse, submeteu-se a usar um quente e desconfortável smoking que o fez suar bastante quando lia a sua bem lançada fala. Deu total atenção à cerimônia de posse. Seguiu o ritual. Trouxe toda a família e a coorte de amigos de São Paulo e do Rio de Janeiro. A noite de 7 de março de 1985 foi  bela e transfigurada.

Começando pelo patrono da cadeira, Francisco Bonifácio de Abreu, barão da Vila da Barra, tradutor da Divina Comédia de Dante, preferiu evocá-lo como o romancista de Teresina e Palmira ou A ceguinha brasileira. Seguindo a tradição, procedeu ao elogio de Estácio, com destaque para a ficção de A aeromoça e outras... O procedimento elegante com os antecessores confirma que uma cadeira acadêmica é um monumento pelo que  acumula de cultura e conhecimento. Prolongando aquele momento solar, falei inaugurando o seu busto, obra de Celita Vacanti, no jardim das esculturas.

Fora do meio acadêmico, era o mesmo Jorge atencioso com os mais simples nos encontros pela vida. Às vezes que nos deu a honra de almoçar conosco, no final, não só agradecia a Solange, como ia até à cozinha cumprimentar a cozinheira. Enviou para a nossa Maria José um livro com dedicatória. Posso dizer que foi o primeiro comensal que vi cumprimentar, regularmente, a chefe da cozinha com naturalidade e afeição.

Sempre que viajava mandava-me cartão postal. Sabendo da minha opção pelo ensino, regressando de uma viagem a Cuba, trouxe-me uma caixa de livros sobre a educação cubana.
Quando lhe outorguei a Medalha Castro Alves, recordei a sua única experiência docente, pois foi professor visitante da muito querida Universidade do Estado da Pennsylvania. Com o erudito doutor Gerald Moser, Jorge criou o Clube do Bate-Papo.

Qual não foi a forte emoção que me possuiu totalmente quando o curador de obras raras da Pattee Library mostrou-me os seus romances autografados e zelosamente guardados ao lado de requintada edição de Os Lusíadas e de livros italianos do século XVI e XVII. Tive, então, a sensação e o orgulho de encontrar um brasileiro ombreado entre os maiores escritores da Humanidade! Quando o abracei já com a Medalha Castro Alves no lado esquerdo do peito ele me disse: “Você me emocionou”.
Perto de deixar o cargo de secretário, deu-me a Medalha Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras.

Comemorar o centenário é relembrar leituras, passagens e encontros, incentivos para novas ponderações. No conjunto, Jorge Amado escreveu uma rapsódia com o colorido vibrante dos capitães de areia, dos coronéis, dos matadores por causa de terra, das prostitutas e dos vagabundos, das tocaias e dos feitiços. Concebeu a Bahia na sua plenitude social. A Bahia com todo o seu imponderável está em sua obra. Os capitães da areia é a antevisão pioneira, humana e extraordinária dos meninos de rua.

A cultura do cacau, centrada nos problemas da terra, na peleja da vida e da morte. A vinda dos sergipanos e dos árabes, sírios e libaneses, que chamávamos de turcos. Turcos, entenda-se, por causa do passaporte do antigo Império Otomano. Como filho de sergipano, sentiu bem profundamente a luta do pai, desbravando a mata para plantar cacau.

Anos depois, morou em Estância, Sergipe, confinado pelo Estado Novo. A ditadura Vargas não brincava com ninguém, principalmente, com os membros do Partido Comunista. Depois, prendeu também os integralistas.

Seguem-se os grandes romances urbanos dos personagens com os quais convivemos. Tipos que encontramos no nosso cotidiano. O Vadinho é o mais conhecido de todos. Baiano criado em Salvador sem maiores compromissos a não ser com a sua própria vida. Tieta, a mulher do agreste, que fez vida em São Paulo ganhou dinheiro e voltou. O agreste ou o sertão baiano não podia estar ausente na geografia temática do escritor.

Jorge conheceu Salvador bem na juventude. Veio para a Bahia para os estudos, no Colégio Antônio Vieira, como muitos dos filhos da lavoura. Conheceu a liderança do padre Luiz Gonzaga Cabral, que descobriu muito cedo o seu talento de escritor numa composição sobre o mar. O jesuíta o introduziu na literatura mundial. Mas um dia o menino grapiúna fugiu, libertou-se do internato e refugiou-se em casa dos avôs paternos em Sergipe. O tio Álvaro foi buscá-lo. Retornou e estudou no Ipiranga. Segue o seu destino de jovem e adulto. Passa pelo jornal O Imparcial, como muitos da sua geração. Vai para o Rio. Milita no Partido Comunista. Enfim, dá volta pelo Brasil e pelo mundo.

Pelos anos sessenta, voltou para ficar, na casa acolhedora do Rio Vermelho. Viver na Bahia com todas as misturas. Campo extraordinário de observação e percepção aguda e profunda, pátria das suas maravilhosas personagens. Há um Jorge de Ilhéus e há um Jorge da cidade da Bahia. Por isso, há nele toda a complexa Bahia, das misturas, às vezes difícil de ser entendida por outros. Ele ajudou a entender o Brasil como um país tropical e mestiço, para tanto parte e termina na Bahia, um lugar onde há povo sofrido e alegre, como bem demonstrou. Toda a sua obra é uma tese sobre a Bahia, sua  gente, seu comportamento e seus procedimentos.

Vivendo na cidade da Bahia convive com todos. Registra tudo, não, recria. Acho sumamente importante como captou o proceder baiano. A trama de mexidos e de fuxicos, das conversas e dos ditos graciosos e picantes. Dona  Flor é uma citadina possuidora de receitas de doces, que todos nós conhecemos. Gabriela é outra criação monumental. É a própria natureza indomável. Poderosa e portentosa. Em matéria de Gabriela, prefiro a languidez morena de Sônia Braga. Como Jorge captou o gosto médio de nossa gente!

Para lembrar o centenário, reli de um jato O menino grapiúna. A vida de tantos outros meninos que viveram quando criança a saga do cacau. Com a vitória dos pais, vieram depois estudar na Bahia. Tive vários colegas que no colégio me contaram histórias semelhantes.

Para comemorar os cem anos, revejo, o Cancioneiro de Castro Alves, o ABC do Poeta. É a biografia do nosso poeta mais difundida no mundo. Ao terminar a sua leitura, faz um bom tempo, mandei-lhe uma carta. Gentilmente, me respondeu: “Castro Alves e Rui Barbosa são os dois polo da cultura baiana”.
Enfim, da Casa do Rio Vermelho passou à Casa de Góes Calmon. Juntou-se aos amigos na convivência acadêmica. Fincamos o seu busto no chão da Academia e, neste centenário, o patrocínio da biblioteca.

Recordando esse inusitado encontro de Jorge na Pattee Library, propus que a biblioteca da Academia de Letras da Bahia fosse por ele titulada. A minha indicação no ano pretérito, 2011, visualizava o seu centenário, em 10 de agosto de 2012. A proposta foi aceita por unanimidade. E mais, o dedicado presidente da Academia, escritor Aramis Ribeiro Costa, efetivou a sugestão, denominando, oficialmente, de Biblioteca Jorge Amado, no festejado mês de agosto 2012. A Academia seguiu, assim, o exemplo da Biblioteca Ruy Barbosa, do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, da Biblioteca Anísio Teixeira da Faculdade de Educação da Ufba.  Mais recentemente, o Instituto Cervantes homenageou Nélida Piñon pondo o seu nome na biblioteca.

O pequeno acervo de livros da Academia, originário da antiga sede no Terreiro de Jesus, foi crescendo pelas doações individuais e, sobretudo, pela agregação de coleções e bibliotecas. Integrou a valiosa biblioteca de Odorico Tavares, rica em livros com dedicatórias, como as de Carlos Drummond de Andrade. As coleções de Waldir de Oliveira e Souza e de Álvaro Nascimento enriqueceram o acervo da Academia. Em vida, o próprio Jorge Amado muito contribuiu, enviando frequentemente caixas e mais caixas de livros para a biblioteca que hoje tem o seu nome. Essas obras não somente aumentaram o acervo com também possibilitaram reunir autores baianos. Biblioteca aberta ao público tem suscitado constantes consultas de estudiosos e de alunos.

A denominação da biblioteca com o nome de Jorge Amado, posta assim sob sua proteção, não é tão somente uma maneira de assinalar o centenário. A designação quer ser mais do que uma comemoração passageira. É expressão maior do reconhecimento por sua grande obra e também pelo nosso afeto. Manifestamos, assim, a convivência, a amizade e o carinho com o querido confrade Jorge Amado. Com Jorge e com Zélia que se uniram, na mesma cadeira de número 21, pela continuidade da sucessão.

Jorge nomeia a Biblioteca, cem anos depois de nascido. Antes, o perpetuamos nos jardins da Academia. Recordemos, emblematicamente, com os gregos “nos jardins de Academo”, primeira referência ao prestigioso vocábulo. Pois bem, a Academia de Letras da Bahia, honrosamente, acresceu, entre os mais altos títulos de honorificência, o de acadêmico titular da cadeira de número 21, na memorável noite de 7 de março de 1985.

Desejávamos, porém, que, entre os títulos e prêmios, ficasse fincado no chão da Academia outro tributo que, solarmente, testemunhasse a nossa admiração e o nosso culto votivo e afetivo, pelo legado de sua obra, engrandecedora que é de nossa terra e de nossa gente. Os seus personagens são parceiros do nosso cotidiano.

Na Academia, o nosso pacto de amor e louvação, pelo excesso de beleza e lição de liberdade que recebemos desde as páginas inaugurais do País do Carnaval às derradeiras linhas da poderosa Navegação de cabotagem. O nosso pacto de amor e louvação, pelo busto, esculpido e tocado de perpetuidade pelas mãos de Celita Vacanti. O busto abre a galeria no jardim das esculturas. Seguiram-se para lhe fazer companhia: Arlindo Fragoso, fundador do Sodalício, Otávio Mangabeira, a quem Jorge sucedeu na Academia Brasileira, Pedro Calmon, Cervantes, Jorge Calmon e Góes Calmon, construtor do Solar do Caquende que nos alberga. Jorge não se encontra tão somente no jardim e na biblioteca, mas na nossa lembrança aquecida de amizade.                     
Edivaldo M. Boaventura. Filho de Osvaldo Abreu Boaventura e Edith Machado Boaventura, nasceu em Feira de Santana, Bahia, em 10 de dezembro de 1933. Cursou o secundário com os jesuítas, no Colégio Antônio  Vieira. Bacharelou-se em Direito (1959), em Ciências Sociais (1969), doutorou-se e obteve a Livre Docência (1964) pela Universidade Federal da Bahia  (UFBA). É Mestre (1980) e Ph.D. (1981) em Educação pela  The Pennsylvania State University, EUA. Em 1961, casou-se com Solange do Rego Boaventura. O casal tem três filhos, Lídia, Daniel e Pedro Augusto (falecido) e quatro netas. Uma vez graduado, em 1960, iniciou o doutorado em Direito, começou a lecionar, na Escola de Serviço Social da Bahia, e entrou para o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia. Trabalhou na SUDENE (1961-1983), como Técnico de Desenvolvimento Econômico. Em 1962, iniciou a carreira de magistério, na UFBA, como professor contratado da Escola de Administração,  para ensinar  economia. Foi juiz federal do trabalho (1963-1970), quando publicou o seu primeiro livro Introdução ao enquadramento sindical. Em 1964, obteve o seu primeiro doutorado com a tese Incentivos ao desenvolvimento regional, pela UFBA. No ano acadêmico 1964-1965, cursou a Universidade de Paris, primeira  viagem  de estudos ao exterior, e o Instituto da América Latina, trabalhou então O papel do setor público no desenvolvimento do Nordeste com o professor Alain Barrère. Como iniciação à metodologia, escreveu Como ordenar as idéias. Regressando ao Brasil, regeu a cátedra de Economia Política da Faculdade de Direito da UFBA.
O ano de 1968 foi decisivo para a sua opção pela educação. A convite do reitor Roberto Santos, implantou a Assessoria de Planejamento encarregada da reforma universitária, quando publicou Universidade em mudança.  Como professor adjunto, transferiu-se da Escola de Administração  para a Faculdade de Educação da UFBA, da qual é um dos fundadores e entrou para o Conselho Estadual de Educação da Bahia ( 1968-1983, 1991-1996), presidindo-o de 1976 a 1978.
Em substituição ao professor Luiz Navarro de Brito e por sua indicação, o governador Luiz Viana Filho o escolheu para titular da Secretaria de Educação e Cultura da Bahia (1970-1971). Desempenhando pela primeira vez  este cargo, contratou e iniciou as escolas   polivalentes, implantou as Faculdades de Formação de Professores, concluiu os Centros Integrados de Educação, participou ativamente da criação da Universidade Estadual de Feira de Santana, sua terra natal. Por sugestão de Pedro Calmon, criou o Parque Histórico Castro Alves, o primeiro parque fundado na Bahia. Problemas da educação baiana Espírito de julgamento tratam dessa gestão.
Participou da Harvard Summer School, em 1967 e 1969.  Visitou  oficialmente os  EUA , em 1970, e conheceu Departamentos Estaduais de Educação e Universidades. Foi o início do relacionamento com as universidades norte-americanas e canadenses.
Em 1971, submeteu-se ao concurso de professor titular, último cargo da carreira docente, com a tese O departamento na Universidade. No mesmo ano, foi eleito para a Academia de Letras da Bahia. A convite do diretor Raymond Poignant estagiou, no Instituto Internacional de Planejamento da Educação  (IIPE/UNESCO, 1971-1972), nas áreas de financiamento e planejamento da educação, carta escolar, sistema de educação,  educação permanente, tendo concluído  o programa de pesquisas com a monografia O ensino superior  na  Bahia: estudo da reforma, da evolução dos efetivos e do financiamento. 
Com a experiência internacional do IIPE, retornou à UFBA e integrou-se no Programa de Mestrado em Educação da UFBA.  Como coordenador,  de 1974 a 1978,  manteve intensos contactos com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), que apoiou  financeiramente o programa,   e participou da criação da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação  em Educação (ANPED). Trabalhou com   sistemas e estruturas  de ensino, planejamento, metodologia da pesquisa  e história da educação Como membro do Conselho de Coordenação da UFBA, compôs e presidiu a Câmara de Ensino de Pós-Graduação e Pesquisa.
A pesquisa e a pós-graduação em educação levaram-no  à  realização  do   mestrado e do  doutorado em educação, na The Pennsylvania State University, concluídos com a dissertação  A estrutura legal da educação brasileira  (1980), e com a tese de Ph.D. Um estudo das funções e das responsabilidades do Conselho Estadual de Educação da Bahia, Brasil , de 1963-1975.( 1981).Obtém, assim,  o seu segundo doutorado A publicação  A segunda casa  relata a experiência norte-americana.
Volta a dirigir a Secretaria de Educação da Bahia (1983-1987), decididamente interioriza a educação superior estadual, até então, concentrada na capital.,  cria e dirige  a Universidade do Estado da Bahia (UNEB), universidade multicampi,  credencia  a  UEFS, impulsiona a UESB e apóia a a futura UESC. Aumenta o número de escolas e convenciona com os municípios  a expansão da educação básica.  Implanta os Estudos Africanos na escola baiana e cria o Parque Estadual de Canudos. Recebe o prêmio The Alumni Fellow Award 1989 pela Universidade que o doutorou.
No retorno à UFBA, coordena a criação do Doutorado em Educação, que implanta em 1991, o primeiro do Nordeste. Intensifica a orientação de  dissertações e teses, ensina e publica     Metodologia da  pesquisa, trabalha  pioneiramente o Direito Educacional, editandoA educação brasileira e o direito.Nos 50 anos da UFBA dá à estampa UFBA: trajetória de uma universidade. Em 1995, realiza pós-doutorado na Universidade do Québec, em Montreal, Canadá.
Cursa a Escola Superior de Guerra, entra para o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Academia Brasileira de Educação e Academia Portuguesa da História, realiza estudos e viagens a Portugal.
Ao jubilar-se, os alunos publicam o Festschrift, Educação, cultura e direito: coletânea em homenagem a Edivaldo M. Boaventura  ( 2005). No ano seguinte a UFBA o distingue com o título de professor emérito.
De 1996 a 2012, dirigiu o no jornal A TARDE com especial atenção para o projeto A TARDE Educação, colocando o jornal nas escolas da Bahia. A partir de 2000 ensina e orienta pesquisa na Universidade Salvador  (UNIFACS), no Programa de Mestrado e Doutorado em Desenvolvimento Regional e Urbano (PPDRU) e no mestrado interdisciplinar da Fundação Visconde de Cairu. De 2007 a 2011 presidiu a Academia de Letras da Bahia e publicou A convivência acadêmica. Em 2010, completou 50 anos de magistério e continua ensinando e orientando teses  e dissertações.
Com o professor Roberto Santos, fundou a Academia de Ciências da Bahia, em 2010, da qual é vice-presidente. Em 2012, recebeu o Doutorado Honoris Causa, pela Universidade do Estado da Bahia, o prêmio Paulo Freyre da Associação Brasileira de Pós-graduação e Pesquisa (Anped), a Ordem do Santo Sepulcro, a emerência pelo IHGB e ingressou na Confraria da Bairrada de Portugal.